Página 10 de 45

O Vôlei Nestlé/Osasco recebeu a visita do Fluminense, nesta quinta-feira, na abertura das quartas de final da Superliga. Jogando no ginásio José Liberatti, o Osasco venceu o adversário carioca por 3 sets a 0, com parciais de 25/23, 25/23 e 25/14, e largou na frente na decisão.

A partida de volta das quartas de final acontece na próxima segunda-feira, dia 20/03, no ginásio Hebraica, no Rio de Janeiro. Caso vença, o Osasco garante vaga direita à semifinal da competição. Se o Fluminense devolver o placar do primeiro jogo, força a terceira partida, que pode acontecer no dia 24/03, com mando do Osasco – equipe de melhor campanha na fase classificatória.

Osasco larga na frente nas quartas de final (Foto: Divulgação)Osasco larga na frente nas quartas de final (Foto: Divulgação)

Segundo melhor time da fase classificatória da Superliga, o Osasco, do técnico Luizomar, mostrou que é um dos fortes candidatos ao título da competição. O time paulista confirmou o favoritismo e começou bem o primeiro set, batendo as cariocas por 25/23.

Em mais um set equilibrado, as meninas do Osasco conseguiram superar o Fluminense. O time carioca até esboçou uma reação no final da parcial, mas Tandara tratou de confirmar a vitória das paulistas: 25/23.

O time do Fluminense pareceu ter sentido o ritmo forte da partida e não conseguiu apresentar o mesmo nível dos sets anteriores. Na parcial decisiva, Tandara e Bjelica apereceram muito bem nas bolas pela saída de rede e garantiram vitória tranquila por 25 a 14.

O Vôlei Nestlé/Osasco recebeu a visita do Fluminense, nesta quinta-feira, na abertura das quartas de final da Superliga. Jogando no ginásio José Liberatti, o Osasco venceu o adversário carioca por 3 sets a 0, com parciais de 25/23, 25/23 e 25/14, e largou na frente na decisão.

A partida de volta das quartas de final acontece na próxima segunda-feira, dia 20/03, no ginásio Hebraica, no Rio de Janeiro. Caso vença, o Osasco garante vaga direita à semifinal da competição. Se o Fluminense devolver o placar do primeiro jogo, força a terceira partida, que pode acontecer no dia 24/03, com mando do Osasco – equipe de melhor campanha na fase classificatória.

Osasco larga na frente nas quartas de final (Foto: Divulgação)Osasco larga na frente nas quartas de final (Foto: Divulgação)

Segundo melhor time da fase classificatória da Superliga, o Osasco, do técnico Luizomar, mostrou que é um dos fortes candidatos ao título da competição. O time paulista confirmou o favoritismo e começou bem o primeiro set, batendo as cariocas por 25/23.

Em mais um set equilibrado, as meninas do Osasco conseguiram superar o Fluminense. O time carioca até esboçou uma reação no final da parcial, mas Tandara tratou de confirmar a vitória das paulistas: 25/23.

O time do Fluminense pareceu ter sentido o ritmo forte da partida e não conseguiu apresentar o mesmo nível dos sets anteriores. Na parcial decisiva, Tandara e Bjelica apereceram muito bem nas bolas pela saída de rede e garantiram vitória tranquila por 25 a 14.

O Brasil terá mais um representante no Mundial de Clubes, disputado no Japão, em maio deste ano. Após o Rio de Janeiro confirmar presença, foi a vez do Vôlei Nestlé/Osasco ser convidado. Nesta quarta-feira, a equipe paulista confirmou que também representará o país na competição internacional.

“Estou honrado pelo reconhecimento. A nossa história na disputa do Mundial nos credencia a ter esse convite. São quatro participações, com três finais e um terceiro lugar com uma equipe que disputou a competição desfalcada das jogadoras da seleção brasileira. É uma enorme satisfação mais uma vez poder participar de uma competição tão importante como essa com as cores do Osasco e representando a cidade de Osasco”, avaliou o técnico Luizomar.

Esta será a quinta participação do Osasco no Mundial de Clubes (Foto: João Pires/FotoJump)Esta será a quinta participação do Osasco no Mundial de Clubes (Foto: João Pires/FotoJump)

O Osasco possui um título do Mundial de Clubes, conquistado em 2012, quando a equipe bateu o Rabita Baku, do Azerbaijão, na grande final. A edição 2017 marcará a quinta participação do clube de Osasco na competição. Além do ouro em 2012, o clube possui duas pratas e um bronze.

“Jogar o Mundial é sempre difícil porque lá estão os melhores times do mundo. Sabemos que precisamos seguir crescendo nesta fase final da Superliga pensando em executar um bom papel no Mundial. É muito importante ganhar uma medalha e não importa a cor”, comentou a líbero Camila Brait, que esteve presente nas cinco participações do Osasco.

O ano de 2017 apenas começava quando o blog noticiou a possibilidade de Osasco disputar o Campeonato Mundial de Clubes no Japão.

Agora é oficial:

Osasco aceitou o convite da FIVB, Federação Internacional de Vôlei, e será um dos representantes do BRASIL na competição.

14054908_1238722679525227_6690735307096986512_n

O Rio, sem o Rexona, depende de verba e da confirmação do Sesc para estar no Japão.

Osasco não.

Além da Nestlé, que continua apoiando o esporte, a chegada da Vedacit foi determinante para que o clube paulista pudesse alimentar o sonho do bicampeonato mundial.

Osasco fica ainda mais forte e provavelmente chegará ao Japão com novas caras e reforçado.

O mundial será jogado entre os dias 8 e 14 de maio na cidade de Kobe, no Japão.

Osasco investiu menos, renovou praticamente todo o elenco, mudou completamente a filosofia e aparentemente deu certo.

A meta foi alcançada. Crédito.

Se na temporada passada o time terminou a fase de classificação na modesta quarta colocação gastando uma fortuna, esse ano foi muito diferente.

ajpf_0083

Osasco não perdeu nenhum jogo em casa e foi segundo. Posição que estava garantida em tese desde quando passou pelo Praia por 3 a 0 diante da torcida mas que só foi confirmada na prática na última rodada.

Isso significa que se mantiver os 100% de aproveitamento no José Liberatti, Osasco tem tudo para ser finalista da Superliga.

Bauru deve se orgulhar da quinta posição especialmente se lembrar que é apenas a segunda temporada do clube na primeira divisão. O feito deve ser ainda mais valorizado levando-se em conta a décima colocação em 2015/16.

Times como o Pinheiros e o ‘penetra’ Brasília, que estão na estrada faz tempo, ficaram atrás de Bauru.

E olha que o quinto poderia ter sido quarto se a equipe por exemplo não tivesse perdido para o Fluminense no Rio por 3 a 2. Não foi a derrota para Osasco que tirou Bauru do quarto lugar.

Osasco investiu menos, renovou praticamente todo o elenco, mudou completamente a filosofia e aparentemente deu certo.

A meta foi alcançada. Crédito.

Se na temporada passada o time terminou a fase de classificação na modesta quarta colocação gastando uma fortuna, esse ano foi muito diferente.

ajpf_0083

Osasco não perdeu nenhum jogo em casa e foi segundo. Posição que estava garantida em tese desde quando passou pelo Praia por 3 a 0 diante da torcida mas que só foi confirmada na prática na última rodada.

Isso significa que se mantiver os 100% de aproveitamento no José Liberatti, Osasco tem tudo para ser finalista da Superliga.

Bauru deve se orgulhar da quinta posição especialmente se lembrar que é apenas a segunda temporada do clube na primeira divisão. O feito deve ser ainda mais valorizado levando-se em conta a décima colocação em 2015/16.

Times como o Pinheiros e o ‘penetra’ Brasília, que estão na estrada faz tempo, ficaram atrás de Bauru.

E olha que o quinto poderia ter sido quarto se a equipe por exemplo não tivesse perdido para o Fluminense no Rio por 3 a 2. Não foi a derrota para Osasco que tirou Bauru do quarto lugar.

Página 10 de 45