Página 1 de 72

Para o jornalista Kennedy Alencar, Moro teria abusado na medida de condução coercitiva de jornalista para suposta tentativa de obtenção de fontes. Ricardo Noblat, jornalista do O Globo, e entusiasta das ações do juiz do Paraná, também não concordou com a ação. A ex-presidente Dilma Rousseff denunciou ação ilegal de Sérgio Moro. E para você, querido leitor, é legal ou ilegal?

Leia a íntegra da opinião de Kennedy Alencar;

>>

Pelo que se sabe até agora, o blogueiro Eduardo Guimarães foi vítima de uma medida abusiva. O juiz Sérgio Moro ordenou sua condução coercitiva para depoimento na Polícia Federal hoje em São Paulo.

De acordo com a defesa do blogueiro, o motivo teria sido o interesse em saber a fonte que transmitiu a Guimarães a informação sobre a condução coercitiva de Lula no ano passado. Questionada pela jornalista Mônica Bergamo, da “Folha de S. Paulo”, a assessoria de Moro respondeu: “Sem comentários”.

Não é uma resposta razoável. São necessárias explicações mais detalhadas da parte de Moro. O sigilo da fonte é uma garantia constitucional. Quebrá-lo fere a liberdade de informação e expressão.

É preocupante a atitude do juiz federal de Curitiba, que já quis dar lição à “Folha de S.Paulo” sobre o que o jornal deveria publicar. Tampouco cabe ao magistrado determinar quem pode ou não atuar como jornalista. O STF (Supremo Tribunal Federal) decidiu em 2009 que é inconstitucional a exigência de diploma de jornalismo e registro profissional no Ministério do Trabalho para o exercício da profissão de jornalista.

A Operação Lava Jato tem sido marcada por vazamentos. Não dá para adotar dois pesos e duas medidas em relação a quais vazamentos podem ou não ser tolerados por policiais, procuradores e juízes. Aceitar isso é flertar com perigosa tentação autoritária.

Pelo princípio da transparência tão defendido por Moro e integrantes da Lava Jato, a opinião pública merece saber quais foram as justificativas para a condução coercitiva de Eduardo Guimarães, do Blog da Cidadania.

*

Outro lado

Ao final da tarde, a jornalista Monica Bergamo obteve resposta da assessoria de imprensa da Justiça Federal do Paraná. Segundo a assessoria, o juiz não considera que Guimarães seja jornalista. Afirma ainda que ele é investigado por quebra de sigilo criminal no âmbito da Lava Jato.

*

Não misturar alhos com bugalhos

Em relação à Operação Turing, que investiga funcionários públicos e blogueiros do Maranhão suspeitos de vazar informação em troca de dinheiro, foram dadas justificativas para os procedimentos adotados hoje pela Polícia Federal.

 

Publicado no Blog de Kennedy Alencar

Na historia da humanidade tivemos centenas de Revoluções, mas nenhuma se compara a Revolução Coxinha que assolou solos brasileiros no ano passado.

OPINIÃO: Bernardo Lanza Brasileiro

O Movimento que tomou conta de todo país, teve características próprias: todos de camiseta amarela (a coxinha é bege, mas as cores até se parecem) da seleção brasileira cujo vexame dos 7 x 1 ainda formigava na mente de nossos fanáticos torcedores, revolucionários com celulares de ultima geração que geraram milhões de selfes, bonecos de Patos e Presidiários, entre outras alegorias.

O que se viu, entretanto, foi que a emenda foi pior que o soneto. Com a divulgação parcial da Lista de Janot, a Revolução que já agonizava com atitudes contra nosso povo sofrido e trabalhador, como a Reforma da Previdência e a Trabalhista, viu também grandes líderes revolucionários do Movimento Coxa Brasil, figurarem na lista, pois foram agraciados com vultuosas “doações” da Odebrecht.  E nessa semana, a operação Carne Fraca, faz o “presidente” reunir ministros e empresários do agronegócio, para fazer o que? Enxugar gelo?

Ministros, governadores, senadores e deputados revolucionários...quem diria!!! Todos se uniram ao governo Temer. Será o abraço dos afogados?

Como todo produto perecível, a Revolução Coxinha, feita com farinha de segunda, azedou, venceu, deu náuseas e dor de barriga. PROCON NELES!!!

 

Bernardo Lanza Brasileiro é economista e sociólogo, com especialização em marketing. Neto de italianos, nasceu em São Paulo. Vive em Osasco há mais de 50 anos.

Por Matheus R. Croce - Ultimamente tenho visto inúmeras páginas que pregam sobre a ‘não modernização do futebol’; alguns afirmam até que somos a geração 7x1. Bom, eu discordo sobre o 7x1.

Sempre me pergunto quem são os donos dessas páginas?! Quantos deles são de uniformizadas? Ou são sócios de seus clubes? É fácil apontar que a modernização do futebol está acabando com seu time quando sequer participa da vida no clube. A maioria não tem relação nenhuma.

Aliás, já até comercializam canecas e camisetas com frases que pregam contra o futebol moderno.

Mas o que é o futebol moderno ?
Para o governo do Estado de São Paulo a ideia é acabar com as torcidas mistas em clássicos do futebol ao invés de garantir a segurança de todos os torcedores.

Dizer que as organizadas causaram essa decisão é ridículo;

Copiando o Estado de São Paulo, a CBF tentou fazer o mesmo no nosso estado vizinho do Rio de Janeiro; Mas, mais uma vez nossos "vizinhos" deram uma aula sobre torcidas organizadas.

A "lei de torcida única" nem chegou a vigorar no estado e começaram as ameaças de paralização do futebol do Rio; por nenhum momento os veículos citados no início desta coluna -e que, aliás- tem grande alcance, pregaram a ‘não modernização’ e fizeram absolutamente nada contra a medida.

Parece que São Paulo sempre será refém da CBF e que as organizadas são inimigas de seus clubes, e nem passa por suas cabeças trabalharem juntas para fortalecer o futebol do Estado.

Gostaria de ver uma festa -ao estilo anos 90- com bandeirões e sinalizadores; mas enquanto dizerem só “não” ao futebol moderno, com sua camiseta e suas selfs no estádio, sem nenhuma organização (independentemente do time) nada vai mudar e a festa só irá diminuir.

E o nosso futebol vai virar o futebol "deles".

Por Matheus R. Croce, colunista de esportes no PlanetaOsasco e membro do Coletivo de Mídia Independente de Osasco

No mês que comemorarmos o dia internacional das mulheres, decidi fazer uma homenagem simples às mulheres que lutaram contra a Ditadura, que apoiaram e apoiam as mudanças que o Brasil precisa, que querem mais democracia e mais participação popular, que lutaram e lutam pela igualdade de gênero. Sei que faltam muitas mulheres me minha lista.  Existem, ainda, milhões de outras mulheres anônimas que merecem nosso respeito, nossas lembranças, mas sem dúvida, estão em nossos corações rebeldes e apaixonados:

Ana Luiza, Tônia Carrero, Eva Wilma, Luiza Erundina, Rita Lee, Bete Mendes, Sonia Rainho, Risomar Fassanaro, Dona Albertina, Bete Carvalho, Ana Carolina, Maria Gadu, Carolina de Jesus, Elza Soares, Carmen Miranda, Elis Regina, professora Elza, Fernanda Torres, Laura Cardoso, Ivone Lara, Fernanda Montenegro, Maria Quitéria, Clarice Lispector, Cora Coralina, Ana Terra, Princesa Isabel, Angela Maria, Lilia Schwarcz, Clementina de Jesus, Norma Bengell,  Beth Carvalho, Mariana Ximenes, Albertina Duarte, Dilma Rousseff, Nise da Silveira, Luci Montoro, Marta Suplicy, Simone de Beauvoir, Princesa Diana, Chiquinha Gonzaga, Marina Silva, Mayana Zatz, Olga Benário Prestes, Cecília Meireles, Hortência, Ana Battiston, Gislaine, Marilena Chauí, Maria da Penha, Zuzu Angel, Zilda Arns, Marcia, Teresa, Wilma Bote, Marie Curie,  Elizeth Cardoso, Vanice, Ana Popovic, Mary de Priori, Isadora Ducan, Cacilda Becker, Anita Malfatti, Helô Pinheiro, Anita Garibaldi, Gabriela,  , Adélia Prado, Zizi Possi, Janete Clair,  Liza Minnelli, Beth Friedman, Dercy  Gonçalves,  Leila Diniz, dona Marinete, Cristina, Maria Bethania, Gal Costa,  Zélia Gattai, Ruth Cardoso, Benedita da Silva, Tarsila do Amaral,  Princesa Leopoldina, Indira Gandhi, Michelle Bachelet, Rosa de Luxemburgo, Yoko Ono, Ligia Fagundes Teles, Bibi Ferreira,  Maria Leticia da Silva, Maria Maria, Julia, Carolina, Adelaide, Amélia, Ana Julia, Rosa, Luiza, Marilene, Cemi, Samantha, Cida, Luciana, Renata e Cristina, Helena, Circe, Débora e muitas outras.

Se você, leitor, tiver outros nomes. Indique, que faremos outra lista de mulheres guerreiras...

 

Marco Aurélio Rodrigues Freitas é jornalista e professor das redes municipal e estadual de São Paulo. Escreve todas as semanas no site Planeta Osasco. 

IMG http://pvmulher.com.br/pesquisas-mostram-que-resistencia-a-ditadura-nao-foi-apenas-de-pequenos-grupos/

Página 1 de 72