Domingo, 14 Janeiro 2018 22:29

Opinião: O Brasil junto com LULA Destaque

Opinião do professor MARCO AURÉLIO

Essa segunda semana de janeiro de 2018 foi uma semana cheia e coberta de felicidade para o povo brasileiro, que sobreviveu ao golpe de abril de 2016 e inocentemente esperava que o Brasil mudasse da noite para o dia, quando ocorresse o impeachment.

No domingo passado, dia 07, a Globo tentou lançar o seu candidato a presidente sem sucesso; mesmo usando o Faustão a coisa não foi bem. Lembrei do ex-presidente Collor, cantado em verso e prosa pela emissora em 1988, como o grande caçador de Marajás.

 

A semana trouxe boas notícias para o povo

Durante a semana, o PT decidiu transformar seus diretórios do Brasil em Comitês Populares, com a frase ELEIÇÃO SEM LULA É FRAUDE. LULA 2018.  Segundo a Direção Nacional do Partido serão milhares de locais em todo o país. Cada cidadão brasileiro pode montar o seu comitê popular também.

No dia 13 de janeiro, o PSOL através de sua executiva nacional, publicou um documento que defende a candidatura de LULA a Presidente do Brasil. Num dos trechos, o documento afirma: “O golpe institucional de abril de 2016 abriu um período de novos e profundos ataques à democracia, à soberania e aos direitos sociais. Parte desses ataques se expressa nas tentativas de restringir ainda mais os direitos civis, como demonstram a tentativa de limitação do direito ao habeas corpus ou da aceitação das provas ilegais, proposto pelo Ministério Público ou a inúmeras condenações baseadas exclusivamente em delações de executivos envolvidos em atos de corrupção promovidos em parceira com agentes públicos, muitas delas sem quaisquer provas”

No site 247, o jornalista e escritor Paulo Moreira Leite, diretor do 247 em Brasília, pede a suspensão do julgamento de LULA no dia 22 de janeiro em Porto Alegre. Segundo ele a decisão da juíza Luciana de Oliveira, titular da Segunda Vara de Execução e títulos do Distrito Federal, ao considerar a OAS como legítima proprietária do Triplex no Guarujá, penhorando o imóvel no processo em favor do pagamento de dívidas da OAS para uma empresa credora, contrapõe-se à investigação de Justiça de Curitiba.  Tudo isso, torna sem sentido a decisão judicial de Curitiba. Assim, o jornalista pede a suspensão do julgamento em nome do que os juristas chamam de “fato superveniente”, que se sobrepõe ao que foi apurado até aqui.  

Vi até um bloco de Carnaval em Pernambuco chamado Sapo Barbudo, em defesa da democracia e de LULA. Há também, em sites e jornais, informações que dezenas de caravanas irão até Porto Alegre e que a avenida Paulista viverá uma gigantesca manifestação popular em defesa da democracia e de LULA na Paulista, dia 24 de janeiro.

Ainda nesta semana, dezesseis ex-presidentes e líderes de diversos países assinaram uma declaração conjunta em apoio ao ex-presidente LULA. Entre os líderes da América Latina estão José Mojica do Uruguai, Cristina Kirchner da Argentina, Ernesto Samper da Colômbia, Mauricio Funes de El Salvador, Nicanor Duarte e Fernando Lupo do Paraguai e outros. Alguns outros são: Felipe Gonzalés da Espanha, Massimo D’Alema ex-primeiro ministro da Itália e José Miguel Insulza ex-secretario geral da OEA. No documento, os lideres afirmam que o “ex-presidente LULA implantou um ambicioso programa de transformação social no Brasil, tirando da miséria milhões de homens e mulheres”. O manifesto em defesa da democracia e de LULA já tem mais de 170 mil assinaturas.

No outro Brasil, a Folha de São Paulo do dia 10 de janeiro publica que Maluf continua preso na Papuda, após avaliação de médicos do IML, e Serra é acusado de receber 52 milhões via caixa 2 pelo ex-presidente da Odebrecht Pedro Novis. No outro Brasil, Temer promete liberar 10 bilhões para aprovar a famigerada Reforma da Previdência em fevereiro.  No outro Brasil, a agência de avaliação de risco Standard & Poor’s diz que rebaixou o Brasil para BB- por atraso da reforma da Previdência. No outro Brasil, o Estadão de domingo, 14 de janeiro, publica na capa que Temer não cumpre meta do Minha Casa Minha Vida, vai cumprir apenas 13,5% da meta do governo.

No Brasil do povo, líderes mundiais revelam a importância política do ex-presidente LULA no mundo todo. Lendo jornais e vendo tevê, percebemos que há um movimento estranho para impedir a transformação do Brasil e a candidatura de LULA a presidente novamente. Como historiador, sou forçado a lembrar da perseguição a João Goulart, a Juscelino Kubitscheck, e a Getúlio Vargas.

Marco Aurélio Rodrigues Freitas é jornalista, biomédico, historiador e professor das redes municipal e estadual de São Paulo. Escreve todas as semanas no site Planeta Osasco.

Autor

Redação