Sexta, 19 Maio 2017 02:01

Pimenta, sobre alarde da mídia, JBS, Lula e Dilma: Factoide para reduzir importância do flagrante de Temer e Aécio; veja vídeo

  Porque a delação da JBS contra Dilma e Lula não pesam como a de Temer

Jornal GGN – A liberação da chamada lista de Fachin, com dezenas e mais dezenas de inquéritos contra políticos de todos os leques, a reboque da delação da Odebrecht, exigia um esforço que a imprensa não conseguiu fazer: separar o joio do trigo.

Naquele momento, todos foram jogados numa vala comum. Peixe de aquário, com acusação de receber R$ 30 mil como doação eleitoral via caixa 2, sem contrapartidas, foi misturado com tubarão que faturou milhões em cima de obras públicas. A delação da JBS não é diferente nesse sentido.

Não sabemos se é por culpa do Ministério Público Federal (que só agora tirou da manga a ação controlada) ou da JBS (que só passou a registrar encontros com políticos após o impeachment), mas a disparidade nas provas apresentadas contra Michel Temer, de um lado, e Dilma Roussef e Lula, de outro, é gritante.

Contra Temer, há áudio de conversa com o próprio presidente sobre pagamento de propina, há grampo telefônico, há entrega filmada de mala de dinheiro a um deputado de sua “estrita confiança”.

Contra Dilma e Lula, há diálogos com terceiros e o já desgastado “ouvi dizer”. Pelo menos é o que depreende-se da leitura de anexo da delação premiada de Joesley Batista.

Talvez a Lava Jato possa tornar público, nos próximos dias ou horas, o que Joesley entregou como prova material do que relatou contra os ex-presidente petistas.

Mas, por enquanto, a história repete fórmula já usada por Marcelo Odebrecht, trocando Antonio Palocco e João Vaccari por Guido Mantega e Edinho Silva. Resume-se da seguinte forma, a delação:

– Em 2005, quando Guido Mantega era presidente do BNDES, JBS conseguiu financiamento de 80 milhões de dólares para a expansão da empresa. Cerca de 4% dessa valor foi pago a um advogado chamado Victor Garcia Sandri. Este advogado agendava os encontros com Mantega e afirmava que dividia a propina com ele a propina fruto das “facilidades”. O pagamento a “Vic” foi feita por meio de offshore controlada por Joesley, com depósito numa conta no exterior indicada pelo advogado. Naquele mesmo ano, Mantega recebeu da JBS uma “cesta de Natal” que custou 17 mil reais.

– Depois de 2006, quando Mantega se tornou Ministro da Fazenda, foram fechadas 2 operações entre a JBS e o BNDES com intermediação de Vic. A primeira, de 2007, foi a “aquisição, pelo BNDES, de 12,94% do capital social da JBS, por 580 milhões de dólares, para apoio ao plano de expansão daquele ano”; a segunda operação foi “aquisição, pelo BNDES, de 12,99% do capital da JBS, por 500 milhões de dólares, em operação conjunta com FUNCEF e, PETROS, para apoio ao plano de expansão do ano de 2008.” Não há relato de pagamento de propina nesses casos.

– Em 2009, Joesley conseguiu tirar Vic do caminho e passou a discutir projetos diretamente com Mantega. O ministro teria dito que a “propina”, segundo o delator da JBS, seria discutida “caso a caso”, ou seja, em cima de cada “intervenção” de Mantega em favor da empresa junto ao governo.

– O delator, contudo, cita duas operações que ocorreram a partir de 2009 de maneira totalmente regular. Primeiro, em 2009 mesmo, a liberação de 2 bilhões de dólares para o plano de expansão da JBS e, segundo, o financiamento de 2 bilhões de reais, em 2011, “para a construção da planta de celulose da Eldorado”. Diz o anexo: “QUE, no entanto, embora a negociação das operações tenha sido bastante dura, acabaram sendo realizadas sem que fossem praticadas irregularidades e sem que a instituição financeira tenha tido prejuízo”.

– Entre uma ação e outra, Joesley decidiu criar, em 2010, uma conta no exterior e depositou nela 50 milhões de dólares. Avisou Mantega. Em 2011, depositou mais 30 milhões de dólares, “já sabendo que seriam para Dilma”.

– Aqui entra a primeira citação a Dilma e Lula: “(…) em reunião com Mantega ocorrida no final de 2010, este pediu ao depoente [Joesley] que abrisse uma nova conta, que se destinaria a Dilma; o depoente perguntou se a conta já existente não seria suficiente para os depósitos dos valores a serem provisionados, ao que Guido respondeu que esta era de Lula, fato que só então passou a ser do conhecimento do depoente; o depoente indagou se Lula e Dilma sabiam do esquema, e Guido confirmou que sim”.

– O delator observou que não pagava propina para fraudar órgãos do governo, mas para garantir que ninguém colocasse emprecilhos aos interesses da JBS. “(…) Sempre percebeu que os pagamentos de propina não se destinavam a garantir a realização de operações ilegais, mas sim de evitar que se criassem dificuldades injustificadas para a realização de operações legais.”

– Apesar disso, o delator afirma que as contas foram abastecidas também com esquemas em fundos de pensão, e que os respectivos presidentes dessas instituições receberam propina. A Lava Jato não detalhada nada sobre isso.

– O delator, então pula 2014. Ano em que Mantega teria feito sucessivas reuniões com Joesley para falar de financiamento de campanha. O então ministro teria apresentado uma lista de candidatos para receber doação da JBS. O partido citado é o PMDB. Quem fazia a distribuição era Ricardo Saud, diretor de Relações Institucionais da J&f, holding da JBS.

– Aqui, a primeira citação de encontro com Lula. EM meio à eleição de 2014, “o depoente encontrou-se com Lula e relatou a ele que as doações oficiais da JBS já tinham ultrapassado 300 milhões de reais e indagou se ele percebia o risco de exposição que isso atraía, com base na premissa implícita de que não havia plataforma ideológica que explicasse tamanho montante; QUE o ex-presidente olhou nos olhos do depoente, mas nada disse.”

– Depois, o relato do único encontro com Dilma, após a eleição:

em novembro de 2014, o depoente, depois de receber solicitações insistentes para o pagamento de 30 milhões de reais para Fernando Pimentel, governador eleito de MG, veiculadas por Edinho Silva, e de receber de Guida Mantega a informação de que “isso é com ela”, solicitou audiência com Dilma;

QUE Dilma recebeu o depoente no Palácio do Planalto;

QUE o depoente relatou, então, que o governador eleito de MG, Fernando Pimentel, estava solicitando, por intermédio de Edinho Silva, 30 milhões de reais, mas que, atendida essa solicitação, o saldo das duas contas se esgotaria;

QUE Dilma confirmou a necessidade e pediu que o depoente procurasse Pimentel;

QUE no mesmo dia, o depoente encontrou Pimentel no Aeroporto da Pampulha, em Belo Horizonte, disse que havia conversado com Dilma e que ela havia indicado que os 30 milhões deveriam ser pagos;

QUE Pimentel orientou o depoente a fazer o pagamento por meio da compra de participação de 3% na empresa que detém a concessão do Estádio Mineirão;

QUE afora essas duas ocasiões, Edinho Silva, então tesoureiro da campanha do PT, encontrava-se, no período da campanha de 2014, semanalmente com Ricardo Saud e apresentava as demandas de distribuição de dinheiro;

– Com Edinho, Saud combinou que a JBS ia financiar principalmente candidatos do PT e, num segundo plano, tratar dos aliados. A Lava Jato esclareceu que se trata de “compra de apoio de partidos políticos”.

– Por fim, Mantega teria solicitado (1) um empréstimo pessoal de 5 milhões de dólares para injetar na empresa PEDALA EQUIPAMENTOS ESPORTIVOS, que não deu certo e que a dívida acabou perdoada. E que, depois, Mantega “solicitou ao depoente que fizesse um investimento de 20 milhões de dólares, debitado da conta-corrente do PT, em uma conta no exterior; QUE o depoente consentiu e determinou fosse realizada a transferência; QUE após 1 ano, o investimento foi devolvido para a conta-corrente do PT, em igual valor, não sabendo este qual o destino ou a finalidade do investimento.”

Essa é a delação[ao final, na íntegra].

Em nota, Lula sustentou que “as afirmações de Joesley Batista em relação a Lula não decorrem de qualquer contato com o ex-Presidente, mas sim de supostos diálogos com terceiros, que sequer foram comprovados.”

Dilma alegou que “jamais tratou ou solicitou de qualquer empresário, nem de terceiros doações, pagamentos ou financiamentos ilegais para as campanhas eleitorais, tanto em 2010 quanto em 2014, fosse para si ou quaisquer outros candidatos”.  E acrescentou: “Nunca autorizou, em seu nome ou de terceiros, a abertura de empresas em paraísos fiscais.”

Abaixo a nota dos advogados de Lula e a da assessoria de imprensa de Dilma. Também a delação de Joesley Batista sobre o ex-presidente e a ex-presidenta

 

NOTA DOS ADVOGADOS DO EX-PRESIDENTE LULA

“Verifica-se nos próprios trechos vazados à imprensa que as afirmações de Joesley Batista em relação a Lula não decorrem de qualquer contato com o ex-Presidente, mas sim de supostos diálogos com terceiros, que sequer foram comprovados.

A verdade é que a vida de Lula e de seus familiares foi – ilegalmente – devassada pela Operação Lava Jato. Todos os sigilos – bancário, fiscal e contábil – foram levantados e nenhum valor ilícito foi encontrado, evidenciando que Lula é inocente. Sua inocência também foi confirmada pelo depoimento de mais de uma centena de testemunhas já ouvidas – com o compromisso de dizer a verdade – que jamais confirmaram qualquer acusação contra o ex-Presidente.

A referência ao nome de Lula nesse cenário confirma denúncia já feita pela imprensa de que delações premiadas somente são aceitas pelo Ministério Público se fizerem referência – ainda que frivolamente – ao nome do ex-Presidente.

Cristiano Zanin Martins e Roberto Teixeira

NOTA À IMPRENSA

Do Blog do Alvorada

A propósito das notícias a respeito das delações efetuadas pelo empresário Joesley Batista, a Assessoria de Imprensa da presidenta eleita Dilma Rousseff esclarece que são improcedentes e inverídicas as afirmações do empresário:

1. Dilma Rousseff jamais tratou ou solicitou de qualquer empresário ou de terceiros doações, pagamentos e ou financiamentos ilegais para as campanhas eleitorais, tanto em 2010 quanto em 2014, fosse para si ou quaisquer outros candidatos.

2. Dilma Rousseff jamais teve contas no exterior. Nunca autorizou, em seu nome ou de terceiros, a abertura de empresas em paraísos fiscais. Reitera que jamais autorizou quaisquer outras pessoas a fazê-lo.

3. Mais uma vez, Dilma Rousseff rejeita delações sem provas ou indícios. A verdade vira à tona.

ASSESSORIA DE IMPRENSA

DILMA ROUSSEFF

Delação JBS Dilma e Lula by Conceição Lemes on Scribd

Autor