Domingo, 18 Junho 2017 12:48

Servir bem

por Marco Aurélio Mello

Às vezes me pergunto: o que faço eu em espaço tão nobre como este aqui?

No Viomundo os temas são sempre muito importantes, densos, profundos…

Em textos com muita qualidade, complexos, conceituais, não raro incompreensíveis ao grande público.

Nessas horas fico até envergonhado.

Será que não estou abusando da boa vontade dos parceiros?

Mas na semana passada senti certo conforto ao encontrar uma resposta acolhedora para esta minha inquietação.

Foi num filme argentino: Cidadão Ilustre.

Aliás, que fase próspera e duradora esta do cinema vizinho, heim!

A película é sobre um Prêmio Nobel de Literatura que depois de 40 anos decide voltar à cidadezinha onde nasceu.

Numa cena ele elogia um jovem escritor local dizendo que seus textos são simples.

O rapaz fica contrariado porque entende que simplicidade é justamente o que um bom escritor não pode ter.

É quando o autor consagrado lhe diz: “escrever com simplicidade é um gesto de generosidade artística.”

Desde então tenho pensado muito nisso.

Admiro ensaístas, autores eruditos, intelectuais, desses que citam de cabeça grandes clássicos da literatura universal.

Mas infelizmente não sou um desses.

Não tenho tanta bagagem, muito menos memória.

Só sei escrever de maneira pobre, sucinta e tento ser simples, na ilusão de que meu alcance aumente.

No fundo, o que sinto às vezes é natural e tem nome: insegurança.

E por que mesmo assim a gente segue escrevendo?

A resposta estava lá, em outra cena do filme.

Para o autor consagrado, personagem principal, todo escritor é vaidoso, egocêntrico e narcisista.

Explico: vaidoso porque tem que acreditar em si antes de todos os outros;

Egocêntrico porque tem que ter disponibilidade para se desligar do mundo ao redor e se dedicar a criar, olhar apenas para dentro de si, com egoísmo.

E narcisista porque depois tem de olhar a obra com reverência, mesmo quando o mundo não lhe dá nenhuma importância.

Deveria conhecer meus leitores, as estatísticas do blog, saber quantos são, do que gostam, do que não, se voltam, ou não, se torcem o nariz…

Por enquanto prefiro não saber.

Porque uma coisa é vaidade, outra bem diferente é a empáfia e a soberba.

A consagração às vezes é um túmulo escuro e frio como também nos faz pensar o tal filme.

Autor