Marco Aurélio Freitas

Marco Aurélio Freitas

Pra que serve uma festa de aniversário?

Os presentes que o povo de Osasco merece virão mesmo?

 

Opinião do Marco Aurélio

 

Em fevereiro do ano passado fiz um texto perguntando que presentes o povo de Osasco merece. Depois de um ano, não recebemos quase nada. Temos na cidade a incidência de febre amarela, especialistas colocam nossa cidade no meio de outras já com quadro epidêmico confirmado. E nossa prefeitura se orgulha de ter vacinado um pouquinho mais de 50 mil pessoas, num contingente de quase 700 mil pessoas. Acredite...

Temos canteiros de avenidas e praças com o mato crescendo sem medo. Temos um projeto de 100 km de asfalto, que todo mundo questiona. Temos reinaugurações questionáveis. Por fim, temos, lançamentos de pedras fundamentais de creches, que foram pensadas e planejadas pelo prefeito anterior. It’s the life, diria um amigo meu.

Pensando em tudo isso, resolvi republicar o texto do ano passado, para que a gente pense e repense nossa cidade em seu aniversário de 56 anos. . Ah, hoje o povo brasileiro ocupa as ruas do Brasil para dizer que é contra a famigerada Reforma da Previdência

 

Pra que serve uma festa de aniversário?

Os presentes que o povo de Osasco merece virão mesmo?

Pergunta que fica sempre em nossas cabeças: pra que serve uma festa de aniversário, além de comemorar a idade da gente? Para ganhar presentes e receber abraços da família e dos amigos que nos amam?

Quando pensamos em Osasco é a mesma coisa. O município faz aniversário e como os amigos da cidade são o governo e o povo, os presentes vem do governo e são do povo e para o povo também. Assim, programas de desenvolvimento, políticas públicas e sociais, novas obras, ações de zeladoria e emergenciais fazem partem dos presentes que uma cidade sempre espera ganhar em cada um de seus aniversários. Esse ano, Osasco faz 55 anos. Pouca idade para uma cidade, mas muita história pra contar: de migrantes e imigrantes, de greves de estudantes e operários contra a Ditadura Militar, de movimentos por moradia, de manifestações políticas por eleições diretas, de grandes comícios e de passeatas de estudantes entre muitas.  

Muitos dos presentes que Osasco recebeu foram feitos por outros amigos, de antigos governos. A inauguração da UBS do Rochdale e a despoluição do córrego Bussocaba são bons exemplos de obras deixadas praticamente prontas pelo governo que foi embora.

Um texto publicado em 01 de agosto de 2015 no site www.brasil.gov.br revela que o bairro do Rochdale recebeu à época 114,12 milhões de reais - através do PAC 2, ainda no governo Dilma, de Gilberto Kassab do Ministério das Cidades - para obras de combate às enchentes, construção de apartamentos pelo Programa Minha casa Minha Vida, canalização do Braço Morto do Rio Tietê, abertura de marginais para criar uma nova via de acesso ao centro de Osasco e à São Paulo, obras de recuperação ambiental, eliminação de áreas de risco com a remoção de 200 famílias para o Conjunto Flor de Liz, além da construção da UBS do Rochdale.

Já o córrego Bussocaba, que nasce no Parque Chico Mendes e atravessa o centro da cidade em direção ao rio Tietê, vem sendo progressivamente despoluído, inserido num amplo plano de recuperação ambiental do governo anterior. Foram doze anos de uma boa e equilibrada política ambiental para a cidade, que recuperou e preservou o que resta de nossa Mata Atlântica. Inovadora em todos os sentidos.

No Rochdale, esse último conjunto de obras começou em 2015. Antes, houve uma enorme ação de construção de piscinões e limpeza de áreas atingidas por enchentes há décadas. E para quem gosta de percorrer a cidade, é possível perceber que o prefeito que saiu, Jorge Lapas, deixou a obra da UBS quase pronta, com uma extensa área de convivência ao lado. Falta ainda canalizar ou urbanizar o córrego que margeia o Parque Ecológico Ana Luiza Moura Freitas e divide o bairro do Rochdale com o Jardim Aliança.

Mas, na vida tudo é um processo. Cada prefeito faz a sua parte. Só não vale um usar a obra do outro, para dizer que o presente de aniversário à cidade é seu. Isso é feio, não é ético e passa a ideia que nós – povo - somos todos tolos, dispostos a sermos enganados todos os dias.

Mesmo assim, feliz aniversario Osasco, você mora em meu coração. Este ano coloquei uma foto do Rochdale, publicada no jornal Visão Oeste em janeiro deste ano.

 

Marco Aurélio Rodrigues Freitas é jornalista e professor das redes municipal de estadual de São Paulo. Escreve todas as semanas no site Planeta Osasco.

 

 

 

 

 

Estória infantil do professor MARCO AURÉLIO
Nossa casa sempre tem um bichinho de estimação. Cachorros (pets) ou gatos, são os mais comuns. Mas Hoje, temos em casa  outros bichinhos bem diferentes:  porquinho da índia, iguana, Cacatua, coelho, Hamster, Chinchila, furão, tartaruga e sei lá mais o quê. 
existem outros animais que convivem com a gente. Uns entram em casa sem convidarmos. Nos visitam na sala, na sacada, no jardim, até no quintal. São os visitantes.
Outros moram com a gente e se escondem nos cantinhos da casa, andando pelas paredes, pelas frestinhas dos tacos e sei lá onde. São os de casa.
Alguns viraram nossos bichinhos de estimação. Embora sejam muito diferentes dos cachorrinhos e dos gatinhos. São os diferentes.
E, infelizmente, há aqueles que aparecem em casa sem a gente querer que venham. 

 

BEL, a ABELHA.                                           

Uma visitante esperada
 
Todas as manhãs que ela vem, faz tudo sempre igual. Olha a sacada. Da sacada do prédio olha a mesa da sala de jantar e se a porta da sacada estiver aberta, entra voando, com seu som conhecido por todos nós. ZZZZZZ.  Me sacudindo logo às seis da manhã.
Todos os dias, chega na mesma hora do meu café. Claro, que tem dias que ela falta. Penso logo, que ela deve estar ocupada em casa ou no trabalho com as amigas. Mas, sei que ela no outro dia virá, como sempre acontece. No dia seguinte, lá vem minha amiga às seis da manhã. 
Não sei porque, hoje, ela quer ficar voando em volta do lustre acesso sobre a mesa e quase morrendo queimada pelo calor da lâmpada. Como seu único amigo humano, acho, me desesperei. Primeiro, apaguei as luzes da sala e abri todas as janelas. Mas ela não quis ir embora.


Muitas vezes, ela faz assim. Eu a conduzo para a sacada e fecho a porta de vidro. De repente, Bel – a abelhinha querida - volta pela janela da lavanderia, que eu esqueci de fechar, e fica voando sobre a mesa de café, de novo.
Como hoje, ela insiste em voar em volta do lustre. Tomei uma atitude radical. Subi na cadeira. Peguei minha amiga Bel com a toalha de rosto do banheiro, com muito cuidado para não machucá-la. Levei-a até à sacada e a soltei. Falando:
-- Vai Bel, ainda é cedo, o sol nem nasceu direito ainda.  Amanhã, você volta.  Se quiser, tomamos café juntos, como sempre. 
Minha abelhinha olhou pra mim, piscou simpaticamente e foi embora voando, feliz da vida, com o seu som conhecido: ZZZZZZZZ. Como se dissesse:
--- Amanhã, na hora do seu café, passo por aqui, amigão.
-- Acho que amanhã ela volta.

     
A maioria das abelhas que circulam no Brasil são de origem europeia ou asiática. Foram trazidas para a América pelos ingleses e espanhóis. No Brasil chegaram por volta de 1839 para ajudar os apiários na produção de mel, cera e própolis.
Tem o tamanho de 12 a 13 milímetros e vivem em colônias permanentes, formadas por uma rainha (as vezes duas rainhas), dez a quinze mil obreiras (que são aquelas que beijam as flores e polinizam a natureza, mais os zangões, entre 500 e 1500 machos.  Há colmeias maiores.
As fêmeas não possuem ferrão como os zangões. A casa das abelhas são as colmeias, que podem ser naturais ou artificiais (feitas pelo homem). Com a produção da cera, as abelhas fazem os favos, que são sempre em forma de prismas idênticos de seis lados.
Nos favos, as abelhas guardam o mel e o pólen, que sevem de alimentos para as larvas e os insetos adultos.
Só a rainha coloca ovos, para o nascimento das novas abelhas. A rainha coloca cerca de 3 mil ovos por dia.
Quando a colmeia precisa de outras fêmeas para pôr ovos, as abelhas obreiras constroem um alvéolo maior, onde são depositados os ovos fecundados, que recebem uma alimentação especial, transformando-se em larvas e depois em novas rainhas.
Em cada colmeia só pode ter uma rainha. Assim, se nascerem outras rainhas, só uma fica na colmeia e as outras são expulsas.
Quem fecunda a rainha são os zangões, que só fazem isso. Todos os anos, a colônia libera um ou mais enxames e junto com eles vai uma rainha, que forma uma nova colônia em outro lugar.
Na Colmeia, cada abelha tem sua tarefa. Para o biólogo e cientista Charles Darwin, esse jeito de fazer os favos e produzir o mel são instintos naturais, que se reproduzem e se modificam por gerações, através do meio ambiente onde vivem e das seleções naturais que ocorrem sistematicamente ao longo do tempo.
Assim, as abelhas vão vivendo e se adaptando ao mundo. Uma abelha visita cerca de dez flores por minuto, faz em média 40 voos diários, tocando em até 40 mil flores. Recolhem o néctar com a língua e guardam numa bolsa que fica na garganta, ali ele perde água e vira mel. Uma Colmeia pode ter até 80 mil abelhas. Há nela, uma rainha, 400 zangões e o restante são obreiras. Só as fêmeas trabalham.
Quando, abelhas como a Bel entram em nossas casas é porque elas não encontram mais tantas flores na cidade. Aí vão procurar doces ou as frutas da fruteira. Daí para virarem nossas amigas é só um passo, ou um voo. 


 
Marco Aurélio Rodrigues Freitas é jornalista, biomédico, historiador e professor das redes municipal e estadual de São Paulo. Deverá escrever suas estórias infantis todos os meses no site Planeta Osasco.

 

LULA, de forma ditatorial, foi impedido de viajar para a África, a convite da ONU.

 

Opinião do professor MARCO AURÉLIO

 

Conheci LULA pessoalmente em 1999 na Fazenda do Vale do Sol, no Encontro Estadual do PT de São Paulo. Lá tiramos fotos e pude perceber como ele era diferente de todos.

Hoje, vi nas redes sociais a seguinte frase irônica de um internauta: “sou corretor de imóveis e depois da condenação de LULA fiquei com uma dúvida... se eu levar um cliente duas vezes para visitar o mesmo imóvel ele se torna proprietário deste imóvel?

Li que o historiador Peter Burke, professor de Cambridge, um dos mais de 500 intelectuais do mundo que assinou o manifesto “Eleição sem Lula é Fraude” está convencido que o procedimento legal contra Lula está cheio de arbitrariedades. Citando o especialista em direito Geoffrey Robertson lembra que “o juiz Sérgio Moro infringiu a lei e abre espaço para violação do Estado de Direito”. O historiador disse ainda que está “muito” preocupado em relação ao Estado de Direito do Brasil, em ameaça tanto pelo julgamento de Lula quanto pelas medidas da gestão Temer que reverteram realizações importantes do governo anterior, como o Bolsa Família.

Li também que o Secretário Geral da ONU, Antonio Guterres, classificou como Ato Ditatorial a retenção do passaporte de um líder mundial como LULA e ameaçou o Brasil com sanções caso o passaport de LULA não seja devolvido.

Hoje, dia 28 de janeiro, outro historiador, Boris Fausto, com 87 anos de vida, afirma no uol: a democracia plena e consolidada não existe aqui por muitas razões e uma das principais é a desigualdade social, que leva a um desinteresse crescente pelas coisas políticas”

E diz mais, também sobre a presidente Dilma Certamente o impeachment da Dilma foi votado por gente de má qualidade, sempre com as honrosas exceções, mas por gente de má categoria como parlamentar.

Por fim, Mino Carta, numa ótima conversa “em vídeo” com PHA afirma que o candidato de Lula, caso ele não seja candidato de jeito nenhum, estará no segundo turno. E que tem dúvidas sobre se haverá ou não eleições este ano, ao dizer que os que estão no poder dizem que o Brasil está “no bom caminho”, com apoio irrestrito da mídia nativa.

Como afirma a mídia internacional da Europa e dos EUA, há uma reprovação mundial ao processo jurídico que condenou o ex-presidente. Todos, sem exceção, veem movimentos autoritários e ditatoriais no Brasil de agora, com o objetivo de tirar da disputa eleitoral LULA e o PT. Hoje, há gigantescas dúvidas mundiais sobre a lisura de nossa democracia. Resumindo: O Brasil precisa de uma democracia plena e consolidada e há poucos partidos para comandar esse processo. O PT é um deles.

 

 

 

Marco Aurélio Rodrigues Freitas é jornalista, biomédico, historiador e professor das redes municipal e estadual de São Paulo. Escreve todas as semanas no site Planeta Osasco.

 

O MUNDO ESTÁ COM LULA

 

Opinião do professor MARCO AURÉLIO

 

Porto Alegre ontem, dia 23 de janeiro.

 

Estou em casa, com a televisão ligada, o rádio ligado e o computador aberto em vários sites. Em todos os veículos acompanho o julgamento de Porto Alegre. Neles, tem uns que defendem a visão da decisão de Curitiba e outros que defendem a absolvição do acusado, por fundamentos inconsistentes.

Caro leitor, li tudo o que pude sobre o dia de hoje. E para ser sincero, o julgamento está parando o mundo e não apenas o Brasil. Li que líderes, artistas e intelectuais de todo o planeta questionam a justiça brasileira. Até deputados norte-americanos elaboraram um documento em apoio ao ex-presidente.

Queria dizer que o juiz de Curitiba pensava que era Joaquim Barbosa e pensava também que sua decisão passaria incólume pelo povo brasileiro. Para parodiar Chico Buarque de Holanda, digo: “Não vai passar”.

O Brasil vive um processo de modernização da política e das suas leis desde a aprovação da Constituição de 1988. Isso é um fato. Seguramente, a mais importante é a manutenção do Habeas Corpus. Trazido para o Brasil por D. João VI, que se preocupava com as prisões arbitrárias, e em 1821 instituía o Habeas Corpus no Brasil e “extinto” pela Ditadura Militar em 1968. Mas que voltou a ter seu papel impar com a Constituinte de 1988.

Vivemos um retrocesso político sem medida no país, como se tudo o que foi feito no Brasil desde 1988 não servisse para nada. Creio que há um setor da nossa sociedade, saudoso do regime militar. Claro que essas pessoas não imaginam as brutalidades da Ditadura. Pena. Como tudo na vida é um processo, em 30 anos o Brasil mudou muito e nos anos LULA inclui muita gente que vivia à margem de nossa economia desde o Império. Nem preciso falar de todas as políticas públicas.

Ouvindo a CBN, destaco três opiniões: do consultor jurídico do veículo, que diz que há elementos para condenação e para absolvição de LULA; de um professor jurídico da FGV, que diz que os fundamentos da acusação são falhos, pois baseiam –se apenas em delações; por fim da jornalista econômica da CBN, que propõe a separação entra a sociedade e a justiça, como se as duas andassem separadas, na análise e nas conclusões.

Como historiador, quero dizer que não há análise neutra. E que não há separação entre povo e instituições, ambas andam lado a lado e dependem uma da outra. Toda a argumentação tem um viés político. Não há como fugir disso. Não dá para eu ler que o mercado pensa sobre isso, pois o mercado não fala olhando o Brasil do povo.

Há um consenso entre todos. Esse é um dia histórico para o mundo e para o Brasil. Mas, como revelam todos os documentos de líderes, intelectuais e artistas de todo o mundo, vivemos um retrocesso grave. Ontem nas redes vi e ouvi um vídeo de artistas da Globo em defesa de LULA também. Pergunto: se o povo todo está a favor de LULA, como fundamentar essa separação entre justiça e povo? Deixo aqui um vídeo dos artistas da Globo, perguntando: Cadê a prova contra LULA?

 

Marco Aurélio Rodrigues Freitas é jornalista, biomédico, historiador e professor das redes municipal e estadual de São Paulo. Escreve todas as semanas no site Planeta Osasco.

 

 

 

MPSP (Ministério Público de São Paulo) solicitou mais informações sobre a publicidade do reajuste da passagem em Osasco. A Promotoria pediu explicações sobre publicidade do reajuste da tarifa em Osasco. E a Justiça determinou que Prefeitura se manifeste. A Ação Civil foi protocolada pelo mesmo autor que impediu Festa do Peão em Osasco. Em sua ação, ele afirma que a Prefeitura não deu publicidade à população sobre o reajuste, surpreendendo-a.  

O Ministério Público de São Paulo (MPSP) se manifestou na última sexta-feira, dia 12 de janeiro, atendendo a uma Ação Civil Pública, que solicitou mais informações sobre a divulgação do reajuste da tarifa em Osasco.

“Tal assunto é de suma importância ao interesse público e qualquer decisão judicial terá enorme consequência, bem como não se sabe se tal publicação citada pelo autor foi o único meio que deu publicidade a tal reajuste, requeiro a notificação dos requeridos (Prefeitura e empresas) para que se manifestem sobre o pedido de liminar", entendeu a promotoria. 

Com a manifestação do MP, o juiz José Tadeu Picolo Zanoni determinou que o município e as concessionárias se manifestem. "Citem-se e intimem-se os requeridos para que digamos requeridos, sem prejuízo do prazo para contestação, sobre o pedido de liminar no prazo de 72horas. Cumpra-se com urgência", despachou o magistrado. 

Por outro lado, crescem os movimentos contra o aumento da tarifa, que em 12 meses foi de 0,55 centavos, 14,47 %. Em janeiro de 2017 era R$ 3,80 e hoje, 17 de janeiro de 2018 é R$ 4,35. Mais de um por cento ao mês.

Dia 15 de janeiro, segunda feira, houve uma manifestação no Largo de Osasco contra o aumento das tarifas de ônibus. No final da tarde, os manifestantes foram em passeata até à Prefeitura.

 

A luta contra o aumento completa um ano nesse janeiro de 2018

 

No início de 2017, o Planeta Osasco publicou algumas matérias sobre o aumento da tarifa de ônibus em Osasco, que na época, subiu de R$ 3,80 para R$ 4,20. Naquele momento, diversos vereadores se mostraram indignados. Inclusive, o atual líder do governo.

O movimento contra a nova tarifa conseguiu várias reuniões com o Prefeito e não obteve resultado positivo em nenhuma delas. Todas as promessas de campanha foram esquecidas. Entre as manchetes do Planeta, mostrando a insensibilidade política da administração, cinco foram essas:

 

      1.Rogério Lins é 'incapaz' de negociar redução da tarifa de ônibus.

  1. Tarifa R$4,20: Dossiê Osasco - menor percurso, maior custo.  
  2. Governo de Osasco estaria censurando comentários nas redes sociais.
  3. Lins recebe manifestantes para debater preço da passagem.
  4. Movimento pede redução da tarifa de ônibus em Osasco

 

As matérias revelaram o embate entre o povo e as companhias de ônibus; além da incapacidade da Prefeitura em defender o povo que se utiliza do transporte coletivo. Agora, um ano depois, ocorre outro aumento, de R$ 4,20 para R$ 4,35. Desta vez, o governo não pode colocar a culpa no prefeito anterior. Este ano, o Prefeito nem procurou conversar com a população e nem procurou explicações para dar à cidade. E as empresas fazem um silencio providencial.

Coletivo Mídia Independente de Osasco

Opinião do professor MARCO AURÉLIO

O ano de 2018 pode ser muito parecido com 1969. Apesar de os dois grandes jornais de São Paulo, Estadão e Folha, noticiarem em suas capas do dia 01 de janeiro de 2018 que escândalos nortearão as eleições deste ano. O Estadão escreve que candidatos de direita devem ganhar no México, Colômbia e Brasil. Já a Folha fala em transição política, cita o Chile com a vitória do centro-direitista Sabastián Piñera, e na página 09 cita o editor Mike Reid, para afirmar que a eleição no Brasil tem dois cenários: com LULA e sem LULA.

 

A possível semelhança de 2018 com os anos de Chumbo.

Em 15 de março de 1967, o Marechal Costa e Silva assumia a presidência da República. Doente, seu governo militar durou até 1969, quando assume uma junta militar por dois meses, preparando a posse do General Emilio Garrastazu Médici, que governou o Brasil entre 1969 a 1974.

A partir do Golpe de 1964, os militares editaram 17 Atos Institucionais. O AI-1 suspendia as eleições diretas em todo o país, a partir de abril de 1964. Em 1968, o AI-5 fecha Congresso, Assembleias e Câmaras Municipais, cassa mandatos e suspende o Habeas Corpus para alguns tipos de crimes. Quer dizer: desmonta a democracia brasileira.

Muitos políticos como Juscelino Kubitscheck, João Goulart e Carlos Lacerda, que sonhavam com as eleições gerais, depois dos Atos Institucionais ficaram impedidos de concorrer à Presidência da República em 1969.

Em 2018, a gente tem a impressão que uma história parecida está sendo gestada. O presidente doente pode não terminar o seu mandato e – assim – quem poderá assumir é o presidente da Câmara, do DEM, ex-PDS, sucessor da ARENA, partido de sustentação da Ditadura Militar.

Em 2018 é possível que tenhamos eleições gerais. As grandes lideranças modernas e progressistas são: LULA, CIRO GOMES, MARINA e alguém do PSOL. Outras com menor potencial eleitoral e conservadoras são: Alckmin, Bolsonaro, Álvaro Dias, alguém do DEM e algum outsider.

Em 1969, Carlos Lacerda, JK e JG criaram a famosa Frente Ampla. Achavam eles que era uma forma de derrotar a Ditadura. O movimento cresceu tanto que foi proscrito por uma portaria. Lacerda cassado por 10 anos pelo AI-5, bem como JK e JG.

 

Quem o Brasil quer hoje?

O Brasil todo quer LULA novamente, norte, sul, leste e oeste. LULA vence todos em todas as pesquisas de opinião. Infelizmente, justiça e mídia se uniram para impedir a eleição de LULA e articular alguém do mercado. Esquecem que em 2003, o país seguindo a cartilha do FMI não ia nada bem e foi o governo do petista que manteve conquistas da Constituição de 1988, ampliou o superávit fiscal para 4,5%, tranquilizou o mercado e incluiu uma população excluída desde o Brasil Colônia. Com isso, a economia cresceu muito. LULA resgatou muita gente que vivia abaixo da linha da pobreza. Aumentou o salário mínimo; melhorou o SUS; ampliou o acesso à educação, com programas de cotas, de financiamento educativo e o salário nacional para professores; além de criar o Bolsa Família e Minha Casa Minha vida.

O Brasil vive um retrocesso enorme na vida social e na política. Elio Gaspari, em seu livro A DITADURA DERROTADA, VOLUME 3, editora Intrínseca, conta que em 1973, os militares estavam preocupados com o fim dos dez anos de cassação pelo AI-5. As eleições diretas foram sendo postergadas, pois os generais não queriam a democracia de volta. Assim, deram um jeito e não houve eleições gerais, que só ocorreram em 1989.

Faltam apenas 22 dias para o providencial julgamento de Lula em Porto Alegre. Como diz Paulo Henrique Amorim, no Paraná a justiça segue uma cartilha previsível e combinada com os que lutaram a favor da Ditadura Militar. FHC diz para a plateia que quer derrotar LULA nas urnas, mas nos bastidores sonha com a sua condenação no TRF-4 dia 24 de janeiro, sabe que eleger Alckmin é muito difícil.

 

Marco Aurélio Rodrigues Freitas é jornalista, biomédico, historiador e professor das redes municipal e estadual de São Paulo. Escreve todas as semanas no site PlanetaOsasco.

 

 

Página 1 de 2