Página 4 de 29

Hooker

Hooker (Foto: Divulgação)

(Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.)

Um jogo que vale muito mais que 3 pontos. Assim pode ser definido, para o Nestlé/Osasco, o duelo da noite desta sexta-feira diante do Camponesa/Minas, pela Superliga, em Belo Horizonte.

Será a chance de Dani Lins e suas companheiras devolverem ao time de Jaqueline e Hooker a derrota sofrida, no final de janeiro, nas semifinais da Copa Branco do Brasil, após mais de 3 horas de disputa.

Além disso, se voltar para casa com vitória, Osasco assume a vice-liderança na tabela, hoje nas mãos do Dentil/Praia Clube, que está um ponto à frente, mas tem um jogo a mais.

A levantadora ainda não esqueceu a última derrota para as mineiras e destaca os pontos fortes das adversárias. "É um jogo importante. Atuar em Belo Horizonte é sempre complicado.

Fizemos uma boa partida contra elas pela Copa do Brasil, mesmo com o desfalque da Tandara. Temos que ir em busca desses três pontos para subir uma posição na tabela e continuar nosso crescimento visando o futuro do campeonato.

É um adversário de qualidade e que conta com a Jaqueline voltando e com a Hooker melhor a cada jogo. O elenco é bom e o Paulo Coco trabalha muito bem também”, afirma.

Já o técnico Luizomar de Moura lembra que, apesar da derrota, Osasco fez um bom jogo contra o Minas e espera nova disputa acirrada. “Foi uma das melhores partidas da temporada, com grandes disputas e decidida nos detalhes.

A tendência é que seja um confronto bastante duro e a equipe vitoriosa será aquela que aproveitar melhor as oportunidades. Estamos estudando bastante para enfrentar um rival que está crescendo e foi montado durante a competição, mas já vem teoricamente com o elenco que a gente imaginava que fosse o titular, com as presenças de Jaqueline e Hooker”, afirma.

As duas equipes já se enfrentaram duas vezes na temporada 2016/17 e o time de Osasco venceu, em casa, no primeiro turno da Superliga, por 3 sets a 0, enquanto a equipe mineira levou vantagem na semifinal da Copa do Brasil 2017, por 3 a 2.

Na história da Superliga, os clubes jogaram 66 vezes e Osasco soma 43 resultados positivos contra 23 do adversário. 

Hooker

Hooker (Foto: Divulgação)

(Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.)

Um jogo que vale muito mais que 3 pontos. Assim pode ser definido, para o Nestlé/Osasco, o duelo da noite desta sexta-feira diante do Camponesa/Minas, pela Superliga, em Belo Horizonte.

Será a chance de Dani Lins e suas companheiras devolverem ao time de Jaqueline e Hooker a derrota sofrida, no final de janeiro, nas semifinais da Copa Branco do Brasil, após mais de 3 horas de disputa.

Além disso, se voltar para casa com vitória, Osasco assume a vice-liderança na tabela, hoje nas mãos do Dentil/Praia Clube, que está um ponto à frente, mas tem um jogo a mais.

A levantadora ainda não esqueceu a última derrota para as mineiras e destaca os pontos fortes das adversárias. "É um jogo importante. Atuar em Belo Horizonte é sempre complicado.

Fizemos uma boa partida contra elas pela Copa do Brasil, mesmo com o desfalque da Tandara. Temos que ir em busca desses três pontos para subir uma posição na tabela e continuar nosso crescimento visando o futuro do campeonato.

É um adversário de qualidade e que conta com a Jaqueline voltando e com a Hooker melhor a cada jogo. O elenco é bom e o Paulo Coco trabalha muito bem também”, afirma.

Já o técnico Luizomar de Moura lembra que, apesar da derrota, Osasco fez um bom jogo contra o Minas e espera nova disputa acirrada. “Foi uma das melhores partidas da temporada, com grandes disputas e decidida nos detalhes.

A tendência é que seja um confronto bastante duro e a equipe vitoriosa será aquela que aproveitar melhor as oportunidades. Estamos estudando bastante para enfrentar um rival que está crescendo e foi montado durante a competição, mas já vem teoricamente com o elenco que a gente imaginava que fosse o titular, com as presenças de Jaqueline e Hooker”, afirma.

As duas equipes já se enfrentaram duas vezes na temporada 2016/17 e o time de Osasco venceu, em casa, no primeiro turno da Superliga, por 3 sets a 0, enquanto a equipe mineira levou vantagem na semifinal da Copa do Brasil 2017, por 3 a 2.

Na história da Superliga, os clubes jogaram 66 vezes e Osasco soma 43 resultados positivos contra 23 do adversário. 

Justiça seja feita.

Quem me acompanha sabe que não sou fã de Gabi, ponta de Osasco. É preciso porém separar as coisas. Nada pessoal, apenas acho que não é uma jogadora confiável e capaz de ser titular do time.

Agora verdade seja dita. O que aconteceu contra o Fluminense não tem sido tão raro assim.

Gabi, quando chamada por Luizomar de Moura, surpreendentemente tem respondido e na maioria das vezes de maneira positiva.

16602601_1423423314388495_3145774004000406139_n

A altura não ajuda muito. Gabi porém é esforçada, tem o braço rápido e compõe bem taticamente. Se Osasco entender que não pode ser ela a jogadora que terá que decidir os jogos, ela pode ser ainda mais útil vindo do banco.

Malesevic, em noite infeliz, saiu e não voltou mais após o segundo set. Mérito do treinador que apostou e bancou Gabi apesar da derrota no quarto set.

Diante do que se tem acompanhado nas últimas rodadas, onde até o líder Rio andou suando para vencer São Caetano e Pinheiros no tie-break, derrotar o Fluminense no quinto set pode ser considerado normal.

Pode, mas não, é ou não deveria ser.

Osasco mostrou certa instabilidade, viveu de altos e baixos e sofreu no passe.

O prejuízo, pelo quadro que se desenhava, acabou sendo pequeno no José Liberatti. Gabi evitou o pior.

Estado rebate vereadores e afirma que mil policiais atuam nas ruas de Osasco

Estado rebate vereadores e afirma que mil policiais atuam nas ruas de Osasco (Foto: guilherme lara campos)

(políEste endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.)

A Secretaria da Segurança Pública do Estado de São Paulo rebateu a reportagem do Diário da Região intitulada “Comissão vai pressionar Alckmin por segurança em Osasco”, publicada na edição de 10 de fevereiro.

Segundo a nota, o governo do estado irá analisar as informações para aprimorar o patrulhamento e esclarece que tem investido na cidade. “De 2011 a 2016, 432 soldados foram contratados e o governo investiu R$ 7,7 milhões em 157 novas viaturas para o município. Atualmente, mais de mil PMs atuam em Osasco.

Em integração com a Polícia Civil, eles prenderam e apreenderam 3.449 pessoas e ajudaram a reduzir os furtos (2%) e os roubos de carga (26%) em 2016”.
Na sexta-feira, o Diário publicou que os vereadores de Osasco pretendem criar uma comissão na Câmara Municipal para pressionar o governador Geraldo Alckmin a investir mais na segurança da cidade.

Segundos os parlamentares, a atuação da Polícia Militar pode e deve ser intensificada no município. A meta da comissão seria debater o assunto, levantar problemas e cobrar da Secretaria da Segurança Pública ações mais eficazes no combate ao crime.

Na última sessão ordinária, o vereador Cláudio da Locadora orientou os vereadores a “baterem na porta” de Alckmin para cobrar uma solução que, segundo ele, não deve ser apenas de competência da prefeitura.

O vereador se referia, possivelmente, às cobranças que a Prefeitura recebe, com freqüência, sobre o alto índice de violência em Osasco. Como a prevenção é de responsabilidade do estado, Cláudio da Locadora sugeriu a formação da comissão.

Uma das principais metas seria ampliar o efetivo. Para reduzir os furtos e roubos em pontos de ônibus, o prefeito Rogério Lins criou o programa “Amanhecer Seguro” no qual viaturas da Guarda Municipal circulam, todas as manhãs, perto dos pontos de ônibus para assaltos dos que saem para trabalhar.

Estado rebate vereadores e afirma que mil policiais atuam nas ruas de Osasco

Estado rebate vereadores e afirma que mil policiais atuam nas ruas de Osasco (Foto: guilherme lara campos)

(políEste endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.)

A Secretaria da Segurança Pública do Estado de São Paulo rebateu a reportagem do Diário da Região intitulada “Comissão vai pressionar Alckmin por segurança em Osasco”, publicada na edição de 10 de fevereiro.

Segundo a nota, o governo do estado irá analisar as informações para aprimorar o patrulhamento e esclarece que tem investido na cidade. “De 2011 a 2016, 432 soldados foram contratados e o governo investiu R$ 7,7 milhões em 157 novas viaturas para o município. Atualmente, mais de mil PMs atuam em Osasco.

Em integração com a Polícia Civil, eles prenderam e apreenderam 3.449 pessoas e ajudaram a reduzir os furtos (2%) e os roubos de carga (26%) em 2016”.
Na sexta-feira, o Diário publicou que os vereadores de Osasco pretendem criar uma comissão na Câmara Municipal para pressionar o governador Geraldo Alckmin a investir mais na segurança da cidade.

Segundos os parlamentares, a atuação da Polícia Militar pode e deve ser intensificada no município. A meta da comissão seria debater o assunto, levantar problemas e cobrar da Secretaria da Segurança Pública ações mais eficazes no combate ao crime.

Na última sessão ordinária, o vereador Cláudio da Locadora orientou os vereadores a “baterem na porta” de Alckmin para cobrar uma solução que, segundo ele, não deve ser apenas de competência da prefeitura.

O vereador se referia, possivelmente, às cobranças que a Prefeitura recebe, com freqüência, sobre o alto índice de violência em Osasco. Como a prevenção é de responsabilidade do estado, Cláudio da Locadora sugeriu a formação da comissão.

Uma das principais metas seria ampliar o efetivo. Para reduzir os furtos e roubos em pontos de ônibus, o prefeito Rogério Lins criou o programa “Amanhecer Seguro” no qual viaturas da Guarda Municipal circulam, todas as manhãs, perto dos pontos de ônibus para assaltos dos que saem para trabalhar.

Estado rebate vereadores e afirma que mil policiais atuam nas ruas de Osasco

Estado rebate vereadores e afirma que mil policiais atuam nas ruas de Osasco (Foto: guilherme lara campos)

(políEste endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.)

A Secretaria da Segurança Pública do Estado de São Paulo rebateu a reportagem do Diário da Região intitulada “Comissão vai pressionar Alckmin por segurança em Osasco”, publicada na edição de 10 de fevereiro.

Segundo a nota, o governo do estado irá analisar as informações para aprimorar o patrulhamento e esclarece que tem investido na cidade. “De 2011 a 2016, 432 soldados foram contratados e o governo investiu R$ 7,7 milhões em 157 novas viaturas para o município. Atualmente, mais de mil PMs atuam em Osasco.

Em integração com a Polícia Civil, eles prenderam e apreenderam 3.449 pessoas e ajudaram a reduzir os furtos (2%) e os roubos de carga (26%) em 2016”.
Na sexta-feira, o Diário publicou que os vereadores de Osasco pretendem criar uma comissão na Câmara Municipal para pressionar o governador Geraldo Alckmin a investir mais na segurança da cidade.

Segundos os parlamentares, a atuação da Polícia Militar pode e deve ser intensificada no município. A meta da comissão seria debater o assunto, levantar problemas e cobrar da Secretaria da Segurança Pública ações mais eficazes no combate ao crime.

Na última sessão ordinária, o vereador Cláudio da Locadora orientou os vereadores a “baterem na porta” de Alckmin para cobrar uma solução que, segundo ele, não deve ser apenas de competência da prefeitura.

O vereador se referia, possivelmente, às cobranças que a Prefeitura recebe, com freqüência, sobre o alto índice de violência em Osasco. Como a prevenção é de responsabilidade do estado, Cláudio da Locadora sugeriu a formação da comissão.

Uma das principais metas seria ampliar o efetivo. Para reduzir os furtos e roubos em pontos de ônibus, o prefeito Rogério Lins criou o programa “Amanhecer Seguro” no qual viaturas da Guarda Municipal circulam, todas as manhãs, perto dos pontos de ônibus para assaltos dos que saem para trabalhar.

Página 4 de 29