Observatório

Exposição sobre cultura japonesa estreia no Museu da Imigração com obras inéditas

Artistas se debruçam sobre a dualidade e a ambiguidade da luz e sombra

Estreou no Museu da Imigração (MI) – instituição da Secretaria da Cultura, Economia e Indústria Criativas do Estado de São Paulo – a exposição ‘Sombras-Luzes: identidade na diáspora japonesa no Brasil’, das artistas Cristina Suzuki e Claudia Kiatake.

A sombra é um elemento importantíssimo para a cultura japonesa, sobretudo no período Edo (1603—1868), em que o Japão fechava seus portos para estrangeiros. No ensaio ‘Em louvor da sombra’, escrito em 1933 por Junichiro Tanizaki, o autor analisa a presença e valorização da sombra dentro do teatro, da arquitetura, da arte e do cotidiano japonês, além de interpretar a presença da luz no Japão como a entrada da cultura ocidental.

Nesse contexto, as artistas se debruçam sobre a dualidade e a ambiguidade desses dois elementos contrastantes como metáfora de duas culturas que entram em confluência. Ao se estabelecer no Brasil, a cultura japonesa adicionou aspectos à sua subjetividade – além do japonês, surgia algo novo.

Segundo o curador Allan Yzumizawa, “as obras refletem, portanto, este lugar ambivalente de maneira que possamos eliminar as distâncias estigmatizadas do Oriente fabulado e inventado pela colonialidade e notar que, nessas diferenças, reside a potência de criação de algo inovador”. Durante a abertura da mostra, às 14h30, será realizada a performance na instalação ‘Lago de Nanquim’, única obra da mostra que tem autoria compartilhada entre as artistas, e contará com a participação do curador Allan Yzumizawa.

A performance materializa o processo da obra que faz alusão aos contrapontos entre as culturas europeias, representadas pela arquitetura do prédio, e asiáticas, representadas pela tinta nanquim, propondo a discussão sobre atravessamentos, confrontos e possíveis confluências entre essas culturas na formação social brasileira, a partir do processo de imigração. O projeto ocupa a sala de exposições temporárias Hospedaria em Movimento até 5 de maio de 2024.

Sobre as artistas
Cristina Suzuki é formada pelas Faculdades Integradas Teresa D’Ávila – Santo André, SP. Pesquisa padrões de diferentes naturezas, possibilidades de reprodutibilidade e alternativas de “pulverização” do trabalho de arte, utilizando gravuras, fotografias, objetos, instalações, desenhos digitais e vídeos.

Claudia Kiatake produz pinturas abstratas utilizando cera de vela, nanquim, aquarela, pigmento e tecido sobre lona, papel-algodão ou papel japonês washi e esculturas em suportes variados, como cobre, aço corten, aço inox, madeira, entre outros materiais. Atualmente, pesquisa conceitos da estética japonesa, como o efêmero, o vazio e o sutil, relacionados à ancestralidade.

Sobre o curador
Allan Yzumizawa é professor, pesquisador de cultura e arte contemporânea. Atua como curador no Museu de Arte Contemporânea de Sorocaba (MACS). É doutorando em História da Arte pela Unifesp, mestre em Artes Visuais pela Unicamp e bacharel em Artes Visuais pela mesma universidade.

Dentre os principais projetos como curador, destacam-se: ‘Quando sou aquilo que não lembro que fui’, Sesc Sorocaba (2018); ‘Corpos da água vermelha’ (Prêmio ProAC 2021); e ‘A invenção do herói, MAC Sorocaba (2022).

Conteúdo Oficial – Gov SP

Concorra a prêmios surpresas ao fazer parte de nossa newsletter GRATUITA!

Quando você se inscreve na nossa newsletter participa de todos os futuros sorteios (dos mais variados parceiros comerciais) do PlanetaOsasco. Seus dados não serão vendidos para terceiros.

PlanetaOsasco.com

Matheus V.

Verifico e produzo notícias de Osasco, Barueri e região, monitoro o portal da transparência da cidade e faço checagem de licitações e compras públicas.

Artigos relacionados

Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Botão Voltar ao topo
0
Queremos saber sua opinião sobre a matériax