Observatório

Leptospirose: saiba riscos da doença e como se prevenir em enchentes e chuvas intensas

Operação de resgate com o helicóptero do Corpo de Bombeiros em Porto Alegre, RS

Muito comum em épocas de chuva intensa e enchentes, como a atual emergência no Rio Grande do Sul e o desastre ocorrido no Litoral Norte de São Paulo em fevereiro do ano passado, a leptospirose é uma doença transmitida por bactérias do gênero Leptospira. A infecção em humanos acontece por meio do contato com a urina de ratos infectados ou com água e lama contaminadas. Em áreas de risco para inundações, a incidência da doença pode aumentar em mais de 10 vezes, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS).

Em 2023, o Brasil registrou 3.128 casos confirmados de leptospirose, com 258 óbitos e uma taxa de letalidade equivalente a 8,2%. As regiões com maior incidência foram Sul e Sudeste, com 1.119 e 1.021 casos, respectivamente.

Quem for infectado pela bactéria pode apresentar, na primeira semana, chamada de fase precoce, febre de início súbito acima de 38°C, calafrios, dor de cabeça, dor muscular (principalmente na panturrilha), falta de apetite, náusea e vômitos. Cerca de 30% dos pacientes podem apresentar olhos vermelhos, outra característica marcante da doença, de acordo com o Ministério da Saúde.

Quadros mais graves ocorrem em aproximadamente 15% dos indivíduos, a partir da segunda semana, quando há aumento da produção de anticorpos. Os principais sintomas são icterícia (pele e olhos amarelados), insuficiência renal, alteração no nível de consciência e hemorragia. Tosse seca e falta de ar podem indicar comprometimento dos pulmões. A mortalidade é de 10% e pode chegar a 50% quando ocorre hemorragia pulmonar.

Como os atuais testes detectam a leptospirose somente após uma semana do início dos sintomas, é recomendado buscar atendimento médico assim que houver suspeita de infecção para iniciar o tratamento com antibióticos. A atenção deve ser redobrada após exposição a enchentes: a doença pode se manifestar até 30 dias após o contato com lama ou água contaminadas.

O que fazer para se prevenir em enchentes

A bactéria Leptospira entra no corpo por mucosas da boca, nariz e olhos, e por meio da pele em caso de imersão prolongada na água contaminada. Feridas e cortes facilitam a infecção. Em situações de inundação, o Ministério da Saúde recomenda as seguintes medidas de prevenção:

  • Cubra cortes ou arranhões com bandagens à prova d’água
  • Se possível, utilize botas e luvas para reduzir o contato com a água contaminada, ou sacos plásticos duplos amarrados nas mãos e nos pés
  • Após as águas baixarem, retire a lama e desinfete pisos, paredes e bancadas com água sanitária, deixando agir por 15 minutos (sempre com a proteção de luvas e botas de borracha)
  • Não nade ou beba água doce de fonte que possa estar contaminada pela água da enchente
  • Descarte alimentos e medicamentos que tiveram contato com a água da inundação
  • Trate a água antes do consumo, fervendo ou utilizando hipoclorito de sódio
  • Caso seja profissional de saúde ou de resgate, use equipamentos de proteção individual (EPIs)

O controle dos roedores também é importante para evitar a proliferação da doença. Para isso, faça o descarte adequado do lixo, evitando acúmulo de entulhos, desinfete e vede caixas d’água, e feche frestas e aberturas em portas, paredes e rodapés. O lixo deve ser colocado em sacos plásticos ou em latões de metal com tampa, e armazenado em locais altos até que seja coletado.

O lixo deve ser colocado em sacos plásticos ou em latões de metal com tampa / Foto: Aline Tavares

Leptospirose, dengue e gripe: como diferenciar

Os sintomas iniciais da leptospirose são muito semelhantes aos de outras doenças como dengue e gripe. Com isso, pode haver dificuldade no diagnóstico, especialmente em meio ao surto de dengue que acomete o país. Além da avaliação clínica, o teste laboratorial e o histórico de exposição a enchentes são fatores que ajudam a identificar o problema corretamente.

Alguns sinais bastante característicos da leptospirose são a dor nas panturrilhas, a vermelhidão nos olhos e a icterícia (pele amarelada), acompanhados de febre alta, dor de cabeça, falta de apetite, náusea e vômitos.

Já na dengue, dois sintomas marcantes são o aparecimento de manchas vermelhas na pele e dor atrás dos olhos. Também ocorrem febre alta de início súbito, forte dor de cabeça, náusea e vômitos. A dengue com sinais de alerta pode causar sangramento de mucosas, vômito de sangue e dor abdominal intensa.

Enquanto isso, a gripe, por ser uma doença respiratória, costuma provocar coriza, tosse produtiva e dor de garganta, além de sintomas como febre, dor no corpo e de cabeça, calafrios, vômito e diarreia.

De acordo com nota técnica da Secretaria de Vigilância em Saúde e Ambiente do Ministério da Saúde, outro diferencial é a duração da febre, que pode permanecer de 7 a 14 dias na leptospirose. Os pacientes também podem apresentar nível aumentado de leucócitos e baixo nível de potássio no sangue.

Conteúdo Oficial – Gov SP

Concorra a prêmios surpresas ao fazer parte de nossa newsletter GRATUITA!

Quando você se inscreve na nossa newsletter participa de todos os futuros sorteios (dos mais variados parceiros comerciais) do PlanetaOsasco. Seus dados não serão vendidos para terceiros.

PlanetaOsasco.com

Matheus V.

Verifico e produzo notícias de Osasco, Barueri e região, monitoro o portal da transparência da cidade e faço checagem de licitações e compras públicas.

Artigos relacionados

Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Botão Voltar ao topo
0
Queremos saber sua opinião sobre a matériax