Destaques

ONS: apagão no Amapá foi por falha em equipamento ou em subestação

[CMIO]O Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) apresentou um relatório sobre o apagão ocorrido no estado do Amapá em novembro. Na ocasião, 13 das 16 cidades do estado ficaram sem energia por mais de 80 horas. 

Segundo o relatório, o incêndio em um dos transformadores foi causado por um curto-circuito, que pode ter sido provocado ou por uma falha interna no equipamento ou por uma “coordenação de isolamento inadequada na subestação”.

Essa segunda hipótese assumiria que um raio atingiu a subestação e ela não foi capaz de preservar os transformadores de uma descarga elétrica. Segundo o relatório, chovia muito no momento, com “descargas atmosféricas intensas”. Ainda não há, no entanto, um parecer definitivo sobre o que ocorreu no dia 3 de novembro. Esse parecer, chamado Relatório de Análise de Falha (RAF), será produzido pela empresa concessionária Linhas de Macapá Transmissora de Energia (LMTE), responsável pela subestação.

“[O relatório da LMTE] deve envolver perícias para os equipamentos. Com esses relatórios saberemos o que aconteceu com esses transformadores”, afirmou o diretor-geral da ONS, Luiz Carlos Ciocchi, em entrevista coletiva realizada hoje (7), no Ministério de Minas e Energia (MME). Um laudo preliminar, divulgado pela Polícia Civil em 11 de novembro, havia concluído que o transformador não foi atingido por um raio.

Terceiro transformador

Ciocchi disse ainda que a LMTE devia ter consertado o terceiro transformador, que estava avariado na data do apagão, mas adiou o prazo algumas vezes. “O agente foi informando as prováveis datas de retorno do funcionamento do equipamento e foi postergando. A última data que tivemos foi 4 de novembro [data seguinte ao incêndio na subestação]”, disse Ciocchi.

Ele explicou que o terceiro transformador serviria para entrar em operação apenas se um dos outros dois falhasse. Se ele não estivesse avariado, poderia ter minimizado o problema, mas haveria, ainda assim, alguma queda de energia, já que a subestação precisa de dois transformadores funcionando para suprir a demanda. “Nesse evento perdemos dois transformadores, algo muito raro. Ainda ficaríamos com um transformador e daria pra aguentar 60%, 70% da carga”, disse ele.

Na mesma coletiva, o ministro Bento Albuquerque afirmou que o Amapá não corre mais riscos de ficar sem luz. No momento, o estado conta com a geração emergencial de energia de duas termelétricas e o ministério autorizou a contratação de geradores por até 180 dias. Além disso, o estado receberá ainda este mês um transformador que estava sem uso em Roraima.

“Temos a disponibilidade de 400 megawatts (MW), quando a média [do estado] é 240 MW. Até o natal teremos o terceiro transformador disponível, voltando ao que o planejamento energético já previa para o estado”.

Concorra a prêmios surpresas ao fazer parte de nossa newsletter GRATUITA!

Quando você se inscreve na nossa newsletter participa de todos os futuros sorteios (dos mais variados parceiros comerciais) do PlanetaOsasco. Seus dados não serão vendidos para terceiros.

PlanetaOsasco.com

planeta

O PlanetaOsasco existe desde 2008 e é o primeiro portal noticioso da história da cidade. É independente e aceita contribuições dos moradores de Osasco.

Artigos relacionados

Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Botão Voltar ao topo
0
Queremos saber sua opinião sobre a matériax