Destaques

Fechado para visitação, Parque da Tijuca registra aumento da circulação de animais silvestres

Fechado pela pandemia desde 17 de março, o Parque Nacional da Tijuca, o maior em visitação do país, tem registrado um aumento de circulação de animais silvestres.

São cutias, jabutis-tinga, saracuras-do-brejo, quatis, esquilos, macacos-prego e até uma lagarta-gatinho, que passaram a explorar muito mais à vontade as áreas do parque.

Animais dessas sete espécies, todas nativas, têm circulado por estradas e pontos turísticos que, antes do isolamento social, ficavam lotados de visitantes. Para se ter ideia, entre meados de março e 29 de abril do ano passado, o Parque recebeu, em média, 8 mil visitantes por dia.

Funcionários que, pela natureza de seus cargos, eventualmente precisam se deslocar pelo parque, registaram em fotos e vídeos o movimento dos animais também em áreas como a Estrada da Cascatinha, que dá acesso à trilha do Pico da Tijuca; a Estrada das Paineiras, que é o caminho até o Cristo Redentor; e o Parque Lage.

O cenário mais tranquilo, de isolamento social favoreceu o aumento na circulação dos animais, como explica o chefe do Parque Nacional da Tijuca, André Mello.

Sonora: “A fauna do Parque se sente menos ameaçada com a ausência de pessoas e de barulho, que costuma ser provocado pela atividade humana. As cutias e saracuras, por exemplo, são mais tímidas e difíceis de visualizar andando calmamente. Como esses animais vivem em um parque que fica no meio de uma megalópole, a particularidade do atual cenário está no fato de que, antes do isolamento social, a livre movimentação acontecia apenas entre algumas espécies e em algumas faixas de horários, como no início da manhã ou início da noite.”

Ainda de acordo com André Mello, o fechamento do parque deu mais liberdade para as espécies.

Sonora: “Há segurança para mais animais e para a circulação em diferentes horários. Deixou de existir, pelo menos temporariamente, o conflito com as atividades humanas em estradas e locais com alta movimentação de turistas, o que trazia riscos como mortes por atropelamentos ou o consumo de alimentos cedidos por visitantes.”

Em busca da relação sustentável com a atividade humana, o chefe do Parque Nacional da Tijuca pontua que, quando o parque for reaberto, os visitantes deverão redobrar a atenção, em especial quanto ao limite de velocidade de circulação nas estradas que cortam o Parque.

André Mello argumenta que é importante que todos saibam como agir, respeitando a preservação da fauna e da flora do parque.

Concorra a prêmios surpresas ao fazer parte de nossa newsletter GRATUITA!

Quando você se inscreve na nossa newsletter participa de todos os futuros sorteios (dos mais variados parceiros comerciais) do PlanetaOsasco. Seus dados não serão vendidos para terceiros.

PlanetaOsasco.com

planeta

O PlanetaOsasco existe desde 2008 e é o primeiro portal noticioso da história da cidade. É independente e aceita contribuições dos moradores de Osasco.

Artigos relacionados

Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Botão Voltar ao topo
0
Queremos saber sua opinião sobre a matériax