Executivo

Racismo institucional e saúde mental são temas de palestras do Novembro Negro

Marco Borba
Fernanda Cazarini

A Secretaria Executiva de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (SEPPIR) da Prefeitura de Osasco realizou sexta-feira, 17/11, na Sala Luiz Roberto Claudino da Silva (anexa ao Paço Municipal), palestras sobre Racismo Institucional e Saúde Mental. O evento, feito em parceria com o Sesc Osasco e que reuniu cerca de 300 pessoas, integra a programação da 19ª edição do Novembro Negro da cidade.

Segundo a secretaria, a discussão de tais temas visa reconhecer o racismo como um produtor de sofrimento emocional e físico, e, ao mesmo tempo, assumir uma agenda étnico-racial que garanta direitos e reduza o impacto do racismo nas instituições, uma vez que ele permeia as relações entre trabalhadores, gestores e usuários das políticas públicas.

Foram convidados para a palestra os doutores Márcia Campos Eurico, assistente social do INSS com mestrado e doutorado pela PUC-SP, que discorreu sobre o racismo institucional, e Kwame Yonatan, psicanalista e doutor pela PUC-SP. Ele falou sobre a saúde mental.

“O racismo institucional é a maneira como as instituições organizam suas ações de forma a tratar de forma desigual as pessoas em virtude de sua cor de pele. Esse mecanismo faz, por exemplo, com que o Judiciário julgue de forma diferente o jovem negro em relação ao jovem branco. A primeira lição de casa para mudar tais situações é as pessoas entenderem que existe o racismo, saberem identificar quando um ato de racismo acontece ao seu lado e denunciar. Somos uma sociedade diversa e é a partir da educação que se muda essa cultura de que os negros e indígenas são inferiores”, disse a Márcia Campos, que também é professora da Unifesp e da PUC São Paulo.

Em sua fala sobre saúde mental, Kwame Yonatan disse que tanto o Sistema Único de Saúde (SUS) quanto o Sistema Único de Assistência Social (SUAS) e seus respectivos servidores também precisam estar atentos em suas funções para identificar e lidar com situações de desigualdade. Ele é professor no Instituto Gerar, autor dos livros “Transverso”; “Nasce um desejo”; “Feliz para sempre?”; e “Por um fio: uma escuta das diásporas pulsionais”, além de supervisor institucional de profissionais do SUS e do SUAS.

O encontro foi mediado por Mônica Aurélia Bomfim dos Santos, graduada pela Universidade Federal de Sergipe, servidora pública municipal com atuação na Secretaria de Saúde, e vice-presidente do Conselho Municipal da Promoção da Igualdade Racial (COMPIR).

Participaram do evento a secretária em exercício da SEPPIR, Deise Ventura, Alexandra Pontieri, diretora do Departamento de Combate ao Racismo e Intolerância Religiosa, Vera Lopes, presidente do COMPIR, representantes de entidades de assistência social e conselheiros tutelares.

A ex-secretária da SEPPIR, Amanda França, e a ex-vereadora Sônia Rainho, falecidas recentemente, receberam homenagens antes do início das palestras.

O tema da edição deste ano do Novembro Negro de Osasco é: “Nossas raízes – história de resistência e luta”. A programação inclui visitas monitoradas à Casa de Angola, palestras, campanha de sensibilização contra o Racismo (20/11) e Feijoada Solidária (26/11), entre outras ações.

No dia 22, às 19h, haverá no Teatro Municipal Glória Giglio a entrega do 1º Prêmio Amanda França de Políticas para a Igualdade Racial de Osasco e Região.

 

 

Conteúdo oficial

Concorra a prêmios surpresas ao fazer parte de nossa newsletter GRATUITA!

Quando você se inscreve na nossa newsletter participa de todos os futuros sorteios (dos mais variados parceiros comerciais) do PlanetaOsasco. Seus dados não serão vendidos para terceiros.

PlanetaOsasco.com

Matheus V.

Verifico e produzo notícias de Osasco, Barueri e região, monitoro o portal da transparência da cidade e faço checagem de licitações e compras públicas.

Artigos relacionados

Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Botão Voltar ao topo
0
Queremos saber sua opinião sobre a matériax