Barueri

Barueri celebra o Dia Nacional de Enfrentamento da Mortalidade Materna com vitórias

Na próxima terça-feira, dia 28 de maio, é celebrado o Dia Nacional de Enfrentamento da Mortalidade Materna, uma data de reflexão e ação a favor da saúde das mães de todo o país. Em Barueri, a atuação ativa e dedicada do Comitê de Mortalidade Materna, que existe desde 2001, é de importância fundamental tanto para a promoção da saúde das mulheres que se tornam mães quanto para a redução dos índices de mortalidade relacionados à gestação e ao parto.  

Esse Comitê vem sendo um agente incansável na defesa da saúde das gestantes, promovendo ações preventivas, educativas e de acompanhamento para garantir uma gravidez segura e um parto sem complicações. Através de uma abordagem integrada e multidisciplinar, seus representantes trabalham em estreita colaboração com profissionais de saúde, gestores públicos e a comunidade local para identificar fatores de risco, implementar medidas preventivas e oferecer suporte adequado às gestantes e puérperas.  

Baixos índices 

No município, a redução da mortalidade materna é uma meta prioritária alinhada com as recomendações da Organização das Nações Unidas (ONU), que preconiza menos de 70 óbitos maternos por 100.000 nascidos vivos. De acordo com os dados disponíveis, o índice de mortalidade materna na cidade no ano 2023 foi de 39,3 por 100.000 nascidos vivos, o que corresponde a dois óbitos.  

Desde 2018 até o momento, o município registrou um total de 10 óbitos maternos. As causas dessas mortes são diversas e incluem degeneração gordurosa do fígado, pré-eclâmpsia, abdome agudo, septicemia, infecção do trato urinário, Covid-19, embolia pulmonar, choque hipovolêmico e síndrome do desconforto respiratório do adulto. Essa variedade de causas indica a complexidade dos desafios enfrentados pelas mulheres durante a gravidez e do parto, destacando a necessidade de intervenções abrangentes. 

Neste dia 28 de maio, o Comitê de Mortalidade Materna de Barueri reforça o seu compromisso em continuar lutando pela garantia do direito à saúde materna de qualidade para todas as mulheres do município. A assistência em saúde para essas mulheres integra, além das consultas ginecológicas de rotina, o pré-natal de baixo e de alto risco, exames de prevenção como Papanicolau, ultrassonografia, mamografia, exames de imagem e laboratoriais e cirurgias ginecológicas.  

Na rede municipal, a gestante conta ainda com todo o aparato e a estrutura tecnológica do Hospital Municipal Francisco Moran (HMB) para os casos mais graves e o Centro de Diagnósticos, com tecnologias das mais avançadas para cuidar da saúde da mulher. 

Medidas de enfrentamento na cidade 

Para que o número de óbitos maternos caísse ao longo dos anos, Barueri implementou uma série de medidas e estabeleceu estruturas de apoio específicas. Entre elas, destaca-se: 

  1. A criação do Comitê de Sífilis Congênita, composto por profissionais da Atenção Básica, Maternidade Municipal Central, maternidade do Hospital Municipal de Barueri (apenas para alto risco), Serviço de Assistência Especializada (SAE) e Vigilância, responsável pela discussão de casos e pelo planejamento de ações para prevenir e controlar a sífilis congênita, uma das causas de mortalidade materna; 

  2. A implementação do tratamento supervisionado para infecções do trato urinário (ITU). Isso inclui o uso de antibióticos de monodose, bem como tratamentos para vaginoses e outras infecções sexualmente transmissíveis (ISTs), tratamentos esses oferecidos tanto para as mulheres quanto para seus parceiros, garantindo uma abordagem abrangente para a saúde sexual e reprodutiva; 

  3. O Pré-Natal do homem/parceiro na Atenção Básica em saúde, promovendo prevenção, autocuidado e adoção de estilos de vida saudáveis. Envolver o parceiro no pré-natal reduz disparidades de gênero, oferece suporte emocional à gestante, promove a paternidade responsável e contribui para uma gravidez mais saudável; 

  4. Planejamento familiar como parte integrante dos serviços de saúde materna possibilita reduzir significativamente a incidência de gestações não planejadas e, consequentemente, a mortalidade materna associada a complicações durante a gravidez e o parto; 

  5. A ampliação da oferta de exames que avaliam a vitalidade fetal, como o doppler fetal e o perfil biofísico fetal para todas as pacientes a partir do terceiro trimestre de gestação. Esses exames são fundamentais para monitorar a saúde do feto e identificar precocemente possíveis complicações que possam ameaçar a vida da mãe ou do bebê.  

Além de tudo isso, é enfatizada a importância da atenção primária à saúde, com serviços de qualidade disponíveis em Unidades Básicas de Saúde (UBS) e prontos-socorros (PS). O diagnóstico precoce e o tratamento adequado de complicações durante a gravidez e o parto são essenciais para evitar fatalidades maternas.  

Temp



Conteúdo oficial

Concorra a prêmios surpresas ao fazer parte de nossa newsletter GRATUITA!

Quando você se inscreve na nossa newsletter participa de todos os futuros sorteios (dos mais variados parceiros comerciais) do PlanetaOsasco. Seus dados não serão vendidos para terceiros.

PlanetaOsasco.com

Matheus V.

Verifico e produzo notícias de Osasco, Barueri e região, monitoro o portal da transparência da cidade e faço checagem de licitações e compras públicas.

Artigos relacionados

Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Botão Voltar ao topo
0
Queremos saber sua opinião sobre a matériax