Destaques

Polícia Federal faz operação para investigar lavagem de dinheiro

A Polícia Federal (PF) cumpriu, hoje (27), três mandados de busca e apreensão para coletar provas de crimes de operação irregular de instituição financeira e evasão de divisas, que geraram um prejuízo de R$ 115 milhões para o Sistema Financeiro Nacional nos últimos cinco anos. Desse montante, R$ 83 milhões foram movimentados em dinheiro por meio de depósitos, para dificultar o rastreio.
As buscas foram feitas na sede da empresa envolvida e na casa dos dois sócios no negócio, na cidade de Amparo, no interior paulista. As investigações que culminaram na Operação Cash Box começaram no ano passado a partir de informações bancárias compartilhadas pelo Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf). A PF pretende ainda investigar o envolvimento dos funcionários que trabalhavam na agência bancária. Não foram feitas prisões. 
Segundo a PF, no decorrer das apurações, foi identificado que a empresa investigada atuaria no mercado de câmbio paralelo, comercializando moedas estrangeiras em espécie e realizando operações de dólar-cabo, para remessa de valores ao exterior. As atividades eram desenvolvidas sem a autorização e fiscalização do Banco Central. Dessa forma, não havia tributação sobre esses valores, o que gerou os prejuízos para os cofres públicos. 
De acordo com o delegado da PF em Campinas André Almeida de Azevedo Ribeiro, o que se sabe até o momento é que os valores são oriundos de empresas de fachada, que não operam na área registrada nem possuem o número de funcionários declarado. 
“Esse tipo de empresa que faz operações irregulares é um mecanismo frequente utilizado na lavagem de dinheiro do crime. Nós não só identificamos essas empresas como queremos identificar as pessoas que operam irregularmente. As pessoas que buscam a lavagem de dinheiro, tentam reinserir esses valores de maneira lícita no mercado ou promover a saída do dinheiro do país”, explicou.
Os envolvidos responderão, na medida de suas participações, pelos crimes previstos no Artigo 16 e no Artigo 22 da Lei 7.492/86, cujas penas podem chegar a 10 anos de prisão, sem prejuízo de outros crimes que venham a ser verificados no decorrer das investigações.

Concorra a prêmios surpresas ao fazer parte de nossa newsletter GRATUITA!

Quando você se inscreve na nossa newsletter participa de todos os futuros sorteios (dos mais variados parceiros comerciais) do PlanetaOsasco. Seus dados não serão vendidos para terceiros.

PlanetaOsasco.com

planeta

O PlanetaOsasco existe desde 2008 e é o primeiro portal noticioso da história da cidade. É independente e aceita contribuições dos moradores de Osasco.

Artigos relacionados

Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Botão Voltar ao topo
0
Queremos saber sua opinião sobre a matériax