Destaques

Festival de Cinema de Brasília busca retratar a diversidade brasileira

A 52ª edição do Festival de Brasília do Cinema Brasileiro vai até o dia 1º de dezembro, o evento movimenta a capital do país com mostras competitivas de longas e curtas, debates, oficinas e atividades de promoção de negócios na área.
Segundo a organização, o objetivo é retratar a força e a diversidade do audiovisual brasileiro. A mostra competitiva de longa traz sobras de diretores do Sul, Centro-Oeste, Sudeste e Nordeste. Entre as origens estão estados menos tradicionais no cinema brasileiro, como Mato Grosso e Paraná. Na disputa dos curtas, a variedade de origens dos realizadores também aparece, com representantes de todas as regiões.
O Festival conta ainda com uma mostra específica voltada a dar visibilidade à produção de diferentes locais, denominada Território Brasil. No total, 18 Unidades da Federação estarão representadas com concorrentes.
Segundo o curador do Festival, Marcus Ligocki Júnior, a seleção deste ano mostra a maturidade do audiovisual nacional.“Estamos em um momento em que o audiovisual está enfrentando um grande desafio, de se repensar nas suas estruturas e no financiamento. O Festival pegou pra si essa missão de mostrar que o Brasil inteiro produz hoje. Isso foi resultado de 20 anos de direcionamento de recursos, encorajamento dos realizadores. E o festival está colocando holofote sobre isso”, disse o curador à Agência Brasil.
Abertura

O ator homenageado da noite, Stepan Nercessian, durante a abertura do 52º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro – Wilson Dias/Agência Brasil

A cerimônia de abertura, que ocorreu na última sexta(22), manteve a tradição de postura ativa e crítica do público do Festival. Sob vaias e críticas acerca do repasse dos recursos do Fundo de Apoio à Cultura (FAC), o secretário de Cultura e Economia Criativa do Distrito Federal, Adão Cândido, declarou que os instrumentos de fomento da secretaria serão usados para dar apoio neste momento que a Agência Nacional de Cinema (Ancine) ainda não definiu as ações de cunho regional.
Um dos homenageados na cerimônia foi o ator de longa carreira na televisão e no cinema Stepan Nercessian. Ele lembrou da relação com a capital por ter nascido na cidade goiana de Cristalina, a 130 quilômetros de Brasília. “Ser homenageado neste festival tem conotação ainda mais forte. Se o cinema brasileiro é feito de resistência e busca mostrar no rosto do povo brasileiro, este festival foi construído de resistência”, destacou.
A professora e antropóloga Débora Diniz foi agraciada com o Prêmio da Associação Brasileira de Cinema e Vídeo por seus filmes pela descriminalização do aborto. Ela não pode receber o prêmio pois saiu do país em razão de ameaças sofridas por pessoas que discordam de sua posição política. Em vídeo, afirmou que sua produção audiovisual é um ato luta e que o prêmio é uma lembrança a todas as mulheres retratadas em seus filmes.
Termômetro
O veterano cineasta brasiliense Vladimir Carvalho acompanhou a evolução histórica do Festival desde 1969 e vivenciou essa resistência. Para ele, o evento é um termômetro que traduz “as grandes vitórias, mas também os desacertos do cinema brasileiro”. Ao longo de sua trajetória, o evento vivenciou as transformações da conjuntura e do audiovisual brasileiro. “Já passamos por censura durante a ditadura. Eu tive um filme arrancado da mostra para colocar uma obra sobre futebol porque o Médici [Emílio Garrastazu] gostava. Todos esses eventos ao longo do tempo mostram que o Festival estava sintonizado com a cultura e com o Brasil. Esta mostra de agora é uma resposta a altura do momento que vivemos. Há um enfraquecimento da cultura brasileira”, ressaltou Carvalho à Agência Brasil.
Eventos

Abertura do 52º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro – Wilson Dias/Agência Brasil

Criado nos primeiros anos de Brasília, o Festival ocupa o tradicional Cine Brasília, na região central da cidade, mas também leva as exibições a outras regiões administrativas, como Samambaia, Planaltina e Recanto das Emas.
Além das competições de longas e curtas, há também outras mostras, como o Troféu Candango, a Mostra Brasília BRB de Cinema, a Mostra Paralela Novos Realizadores e o Festivalzinho. Estes concursos dão espaço para gêneros e públicos específicos, de cineastas da cidade a obras voltadas a crianças e adolescentes.
Mostras competitivas

Abertura do 52º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro – Wilson Dias/Agência Brasil

Na celebrada e concorrida mostra de longas, o festival mantém sua tradição de obras com temáticas críticas. O filme O Tempo que Resta, da cineasta brasiliense Thais Borges, aborda a história de duas mulheres residentes de locais na Amazônia, com trajetórias de enfrentamento de forças econômicas, uma contra grupos madeireiros e outra contra fazendeiros.
Em O Mês que Não Terminou, os diretores Francisco Bosco e Raul Mourão traçam um histórico recente do Brasil a partir das manifestações ocorridas em junho de 2013, chegando até a eleição do presidente Jair Bolsonaro, passando pelo impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff e pela disputa entre diferentes grupos políticos no país.
Debates e encontros paralelos
Ao longo de sua história, o festival cresceu e passou a abrigar uma série de eventos no seu interior. O Ambiente de Mercado reúne produtores e agentes do setor para criar conexões, compartilhar ideias e negociar projetos. Uma das atividades vai colocar curadores de festivais internacionais frente a frente com produtores, para que estes possam conhecer melhor as demandas desses eventos de outros países.
Outro projeto parte do Ambiente de Mercado é a exibição de filmes não finalizados com curadores para que estes possam identificar obras com potencial. Também serão realizadas rodadas de negócios entre cineastas e agentes de mercado visando a apresentação de projetos que possam ser licenciados por companhias da área.
Outro é o Encontro do Centro de Pesquisadores do Cinema Brasileiro. Nesta edição, haverá um painel em alusão ao centenário do cineasta Watson Macedo e exibido um filme dele, Aviso aos Navegantes. O Centro também oferece o Prêmio Marco Antônio Guimarães, voltado à produção que utiliza registros históricos e material de pesquisa sobre o cinema brasileiro.
Edição: Liliane Farias

Concorra a prêmios surpresas ao fazer parte de nossa newsletter GRATUITA!

Quando você se inscreve na nossa newsletter participa de todos os futuros sorteios (dos mais variados parceiros comerciais) do PlanetaOsasco. Seus dados não serão vendidos para terceiros.

PlanetaOsasco.com

planeta

O PlanetaOsasco existe desde 2008 e é o primeiro portal noticioso da história da cidade. É independente e aceita contribuições dos moradores de Osasco.

Artigos relacionados

Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Botão Voltar ao topo
0
Queremos saber sua opinião sobre a matériax