Destaques

Operação cumpre mandados em cinco estados contra sonegadores fiscais do mercado de cigarros

A Operação Apate, deflagrada nessa sexta-feira, cumpriu 31 mandados de busca e apreensão em cinco estados. 16 desses mandados em São Paulo, além de Pernambuco, Bahia, Rio de Janeiro e Brasília.
Segundo a Polícia Federal, a quadrilha era formada por advogados, contadores, operadores financeiros, doleiros, lobistas e ex-funcionários públicos que ofereciam serviços a fabricantes de cigarros. Ainda está sendo investigada a participação das marcas de cigarros no esquema.
O grupo viabilizava a sonegação fiscal com compensações tributárias inexistentes. Um sofisticado esquema que envolvia empresas laranjas que se sucediam na mediação com a fábrica de cigarros, como explicou o delegado de Crimes Fazendários, Rodrigo Sanfurgo.
“O produto do crime não é o cigarro, é o tributo que é sonegado. A empresa paga royalties para o verdadeiro dono da marca de cigarro popular, mas muito famosa. Por quê? Porque essa empresa tem uma data de validade. Ela vai chegar a um ponto de saturação que ela não consegue mais sobreviver, de tanto que ela deve. Então ela simplesmente abandona essa empresa e vai para outra que foi construída e estava na prateleira justamente aguardando o início da sua atividade. Então a marca de cigarro, que nunca foi da empresa anterior, simplesmente passa para outra. O maquinário, que nunca foi da anterior, vai para outra. Com isso você consegue dar demanda à produção”.
Segundo os investigadores, a empresa que estava atuando neste momento declarou um débito de R$ 118 milhões entre 2018 e 2019, e alegou ter créditos a receber da Receita no valor de R$ 221 milhões. Ou seja, ao invés de pagar impostos, a manobra fazia parecer que ela deveria ser reembolsada pela Receita Federal.
Depois, o grupo entrava com ações na Justiça para impedir a cobrança da dívida pela Receita Federal, atrasando a cassação da autorização da empresa para fabricar cigarros.
Os investigadores estimam que a sonegação da empresa que antecedeu essa chegou a uma dívida com os cofres públicos na casa dos R$ 2 bilhões.
O cigarro é o produto com a maior carga tributária do país, 80%.
A Justiça autorizou o bloqueio de R$ 221 milhões em bens dos investigados, o que inclui veículos de luxo e contas bancárias.
130 Policiais Federais e 40 servidores da Receita participaram da operação, que é um desdobramento da Operação EX-FUMO, de 2017.
Os acusados vão responder por organização criminosa, sonegação fiscal, tráfico de influência e corrupção, com penas que podem chegar a 30 anos de prisão.

Concorra a prêmios surpresas ao fazer parte de nossa newsletter GRATUITA!

Quando você se inscreve na nossa newsletter participa de todos os futuros sorteios (dos mais variados parceiros comerciais) do PlanetaOsasco. Seus dados não serão vendidos para terceiros.

PlanetaOsasco.com

planeta

O PlanetaOsasco existe desde 2008 e é o primeiro portal noticioso da história da cidade. É independente e aceita contribuições dos moradores de Osasco.

Artigos relacionados

Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Botão Voltar ao topo
0
Queremos saber sua opinião sobre a matériax