Barueri

Barueri celebra o Dia Internacional de Combate a LGBTQIfobia

Hoje, dia 17 de maio, é celebrado o Dia Internacional da Luta Contra a LGBTQIfobia. Uma data para refletir sobre os direitos dessas comunidades que enfrentam violência e preconceito. Na cidade de Barueri esse público conta com serviços de acolhimento, orientação e apoio psicossocial por meio da Secretaria da Mulher.  

De acordo com o Dossiê de Mortes e Violências contra LGBTQIAPN+ (lésbicas, gays, bissexuais, transexuais e travestis, queer, intersexo, assexuais, pansexuais e não-binários), do Governo Federal, com dados de 2022, de janeiro a dezembro do mesmo ano, 273 pessoas dessa comunidade morreram de forma violenta. O Brasil está em primeiro lugar no mundo no ranking, sendo o país que mais mata pessoas LGBTQIAPN+.  

Importante lembrar que esse número aborda apenas os casos notificados. Ou seja, a realidade é muito pior.  

Barueri acolhe 

Em Barueri, a Coordenadoria Rede Mulher, da Secretaria da Mulher, é o setor responsável por oferecer atendimento como porta de entrada às pessoas da comunidade LGBTQIAPN+, que buscam informações, apoio e orientações acerca de seus direitos. Tais como uso do nome social; retificação de Registro Civil; processo Transexualizador; prevenção às ISTs; violações de Direitos; e denunciar crimes de LGBTQIAP+fobia. 

Desde 2022 o chamado serviço Diversidade da Rede Mulher já atendeu 47 pessoas que enfrentam questões ligadas à Diversidade Sexual e Gênero. Destas, 34% são adolescentes com idade entre 13 e 17 anos.  

“Chama a atenção o número de adolescentes atendidos. Para essas pessoas temos feito a acolhida inicial, sempre na presença dos responsáveis. Nossa preocupação imediata é garantir os vínculos familiares e evitar o rompimento dos laços afetivos”, explica a coordenadora do Rede Mulher, Ana Claúdia Victoriano, sobre o acolhimento, que também é dado aos familiares de pessoas LGBTQIAPN+ que têm dificuldade de aceitação. 

“Sabendo que muitas vezes o preconceito, a não aceitação e a violência começam no ambiente doméstico, temos concentrado forças em garantir aos genitores e aos filhos e filhas a possibilidade de manutenção do diálogo e do respeito”, frisou Ana. 

Encontros  

Com o suporte da equipe técnica multidisciplinar conduzido por psicólogo e assistente social, esse público, além das orientações e encaminhamentos aos serviços em rede, participa de encontros mensais para discutir as questões enfrentadas na sociedade, como “saída do armário”; processo de comunicação com os pais; como lidar com as expectativas da sociedade; LGBTQIfobia internalizada; orgulho da identidade transsexual; relacionamentos afetivos, dentre outros.  

Não custa lembrar! 

LGBTQIfobia é crime equiparado a injúria racial, enquadrado no artigo 140 do Código Penal, com pena de até cinco anos de prisão.??Para denunciar, a vítima pode fazer um Boletim de Ocorrência na Delegacia de Defesa da Mulher de Barueri (avenida Sebastião Davino dos Reis, 756 – Vila Porto) ou em qualquer Delegacia de crimes raciais, de forma presencial ou on-line, e por telefone no Disque 100.  

Temp
Temp



Conteúdo oficial

Concorra a prêmios surpresas ao fazer parte de nossa newsletter GRATUITA!

Quando você se inscreve na nossa newsletter participa de todos os futuros sorteios (dos mais variados parceiros comerciais) do PlanetaOsasco. Seus dados não serão vendidos para terceiros.

PlanetaOsasco.com

Matheus V.

Verifico e produzo notícias de Osasco, Barueri e região, monitoro o portal da transparência da cidade e faço checagem de licitações e compras públicas.

Artigos relacionados

Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Botão Voltar ao topo
0
Queremos saber sua opinião sobre a matériax