Brasil

Bento XVI é criticado em relatório de abusos cometidos por sacerdotes

O ex-papa Bento XVI não tomou medidas contra sacerdotes acusados em quatro casos de abuso sexual em sua arquidiocese quando era o arcebispo de Munique, concluiu um relatório na quinta-feira (20). 

O escritório jurídico Westpfahl Spilker Wastl (WSW) foi encarregado de investigar as acusações de abuso sexual na Arquidiocese de Munique e Freising entre 1945 e 2019. 

O relatório, comissionado pela arquidiocese, disse que há pelo menos 497 vítimas de abuso, a maioria delas jovens do sexo masculino. Muitos outros casos provavelmente não foram reportados, apontaram os advogados. 

Um porta-voz do ex-papa não respondeu imediatamente a um pedido por comentários. Bento, que tem hoje 94 anos, vive no Vaticano desde que renunciou como pontífice em 2013. 

Os advogados receberam a tarefa de descobrir quem sabia o que, e quais medidas foram tomadas. As atenções se focaram sobre Joseph Ratzinger, posteriormente conhecido como papa Bento XVI, que foi o arcebispo de Munique entre 1977 e 1982. 

Ao apresentar o relatório do escritório WSW, o advogado Martin Pusch disse que Ratzinger nada fez contra os abusos em quatro casos. 

“Em um total de quatro casos, chegamos a um consenso de que houve um fracasso em agir”, disse Pusch, acrescentando que o ex-papa havia recusado “rigorosamente” a responsabilidade pelas acusações. 

*É proibida a reprodução deste conteúdo


Via Agência Brasil – IMG Autor

Concorra a prêmios surpresas ao fazer parte de nossa newsletter GRATUITA!

Quando você se inscreve na nossa newsletter participa de todos os futuros sorteios (dos mais variados parceiros comerciais) do PlanetaOsasco. Seus dados não serão vendidos para terceiros.

PlanetaOsasco.com

planeta

O PlanetaOsasco existe desde 2008 e é o primeiro portal noticioso da história da cidade. É independente e aceita contribuições dos moradores de Osasco.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo